Consumo mundial de carne bovina deve alcançar novo recorde em 2021
27 de abril de 2021
Custo de produção da recria-engorda em Mato Grosso explode no 1º trimestre, revela o Imea
27 de abril de 2021

Boi gordo: Queda da arroba é tímida, mesmo com avanço na oferta de animais para o abate

O movimento de pressão de baixa no preço do boi gordo, iniciado na última semana, continuou nesta segunda-feira, 26 de abril, segundo informações da Scot Consultoria (Bebedouro, SP).

Com programações de abate mais confortáveis, atendendo em média 6 a 7 dias, as indústrias frigoríficas abriram a semana pagando R$ 1/@ a menos para o boi e novilha gordos negociados nas praças de São Paulo, relata a Scot.

Dessa maneira, o boi comum foi vendido a R$ 312/@, enquanto a novilha para abate saiu por R$ 303/@ (preços brutos e a prazo), apurou a consultoria paulista.

A cotação da vaca gorda ficou estável em relação à última sexta-feira (23), apregoada em R$ 290/@, nas mesmas condições de pagamento.

No entanto, embora o mercado tenha trocado de tendência, o comportamento de baixa ainda é tímido, e nem de longe lembra o forte movimento de alta da arroba registrado nos meses anteriores.

Nesta segunda-feira, como de costume, o mercado físico de boiada gorda abriu a semana com baixo volume de negócios, observa a IHS Markit.

“Muitas unidades de abate optaram por ficar fora do mercado hoje para traçar melhor a estratégia de compra durante a semana”, ressalta a consultoria.

Segundo a IHS, os pecuaristas buscam alternativas para enfrentar o período de seca, que já atinge quase o Brasil inteiro – exceção para as áreas de pecuária no Norte e Nordeste.

Os principais obstáculos que os pecuaristas enfrentam são os altos custos de nutrição e da reposição, relata a IHS. Na bolsa de mercadorias B3, o preço futuro do milho, por exemplo, que já atinge R$ 104/saca de 60 kg (contratos para vencimento em maio/21).

Dessa maneira, observa a consultoria, o ambiente no mercado pecuário brasileiro favorece os grandes produtores, que realizaram aquisições antecipadas de insumos para nutrição ou trabalham com integração lavoura-pecuária.

“A dinâmica atual permite uma nova oferta de animais para recria, proveniente dos pecuaristas que não podem arcar com os custos de confinamento e são obrigados a alienar seus animais não terminados”, informa IHS.

Entre as principais praças pecuárias do Brasil, destaque para o Pará, que sofre bastante com gargalos logísticos relacionados ao excesso de chuva, que causaram paralisaram em estradas do Estado, informa a consultoria

Embarque de abril pode ser recorde para o mês – As exportações de carne bovina seguem em ritmo extremamente aquecido. O Brasil ruma rapidamente para o segundo mês seguido de recorde histórico de volume exportado, quando comparados ao mesmo período do ano passado, prevê a IHS.

A recente onda de valorização do real frente ao dólar não foi capaz de arrefecer a demanda externa, principalmente por parte dos países asiáticos, acrescenta a consultoria.

Queda da carne no atacado – No mercado atacadista brasileiro, foram observadas reduções de preço do dianteiro bovino e da vaca casada.

A segunda quinzena do mês, sazonalmente, trouxe pouca demanda por parte dos consumidores e, consequentemente, pouca reposição de estoques.

“A flexibilização do isolamento social pode mudar o cenário esta semana, assim como o grande aumento de preço das proteínas concorrentes”, observa a IHS Markit.

Cotações desta segunda-feira, 26 de abril, segundo dados da IHS Markit:

SP-Noroeste:

boi a R$ 317/@ (prazo)
vaca a R$ 301/@ (prazo)

MS-Dourados:

boi a R$ 301/@ (à vista)
vaca a R$ 288@ (à vista)

MS-C. Grande:

boi a R$ 302/@ (prazo)
vaca a R$ 290/@ (prazo)

MS-Três Lagoas:

boi a R$ 302/@ (prazo)
vaca a R$ 290/@ (prazo)

MT-Cáceres:

boi a R$ 305/@ (prazo)
vaca a R$ 294/@ (prazo)

MT-Tangará:

boi a R$ 304/@ (prazo)
vaca a R$ 293/@ (prazo)

MT-B. Garças:

boi a R$ 306/@ (prazo)
vaca a R$ 2953/@ (prazo)

MT-Cuiabá:

boi a R$ 309/@ (à vista)
vaca a R$ 291/@ (à vista)

MT-Colíder:

boi a R$ 303/@ (à vista)
vaca a R$ 290/@ (à vista)

GO-Goiânia:

boi a R$ 299/@ (prazo)
vaca R$ 286/@ (prazo)

GO-Sul:

boi a R$ 300/@ (prazo)
vaca a R$ 286/@ (prazo)

PR-Maringá:

boi a R$ 300/@ (à vista)
vaca a R$ 286/@ (à vista)

MG-Triângulo:

boi a R$ 307/@ (prazo)
vaca a R$ 293/@ (prazo)

MG-B.H.:

boi a R$ 305/@ (prazo)
vaca a R$ 293/@ (prazo)

BA-F. Santana:

boi a R$ 286/@ (à vista)
vaca a R$ 276/@ (à vista)

RS-Porto Alegre:

boi a R$ 293/@ (à vista)
vaca a R$ 279/@ (à vista)

RS-Fronteira:

boi a R$ 293/@ (à vista)
vaca a R$ 279/@ (à vista)

PA-Marabá:

boi a R$ 293/@ (prazo)
vaca a R$ 288/@ (prazo)

PA-Redenção:

boi a R$ 290@ (prazo)
vaca a R$ 283/@ (prazo)

PA-Paragominas:

boi a R$ 298/@ (prazo)
vaca a R$ 283/@ (prazo)

TO-Araguaína:

boi a R$ 297/@ (prazo)
vaca a R$ 290/@ (prazo)

TO-Gurupi:

boi a R$ 294/@ (à vista)
vaca a R$ 286/@ (à vista)

RO-Cacoal:

boi a R$ 291/@ (à vista)
vaca a R$ 281/@ (à vista)

RJ-Campos:

boi a R$ 296/@ (prazo)
vaca a R$ 278/@ (prazo)

MA-Açailândia:

boi a R$ 291/@ (à vista)
vaca a R$ 270/@ (à vista)

Fonte: Portal DBO.

Os comentários estão encerrados.

plugins premium WordPress