Balizador de preços do boi gordo GPB/DATAGRO – Boletim de 02-maio-2024
3 de maio de 2024
Brasil se torna livre de febre aftosa sem vacinação
3 de maio de 2024

Crise faz argentinos abrirem mão do churrasco, e consumo de carne atinge menor nível em 30 anos

A crise econômica está fazendo os argentinos abrirem mão de um de seus símbolos nacionais: o churrasco. O consumo de carne bovina por habitante caiu 18,5% no país em um ano, atingindo o menor nível em 30 anos.

O dado se reflete no açougue vazio. “Estamos vendendo muito pouco”, diz o comerciante Alberto, no balcão de um estabelecimento.
Ao ser perguntado pela reportagem da TV Globo, ele explica que foram seis vendas no dia. “Muito pouco em comparação com antes”, quando eram entre 20 e 30 por dia.

O açougueiro conta que não tem como explicar para os clientes que é obrigado a subir os preços. Ele afirma que o quilo do rosbife custa 8,3 mil pesos, enquanto um empregado ganha entre 200 mil e 230 mil. Por isso, não consegue pagar.

Esse cenário seria ruim em qualquer lugar. Mas, para um dos maiores exportadores de carne bovina do mundo, soa pior.

Tradição da carne argentina
A pecuária na Argentina remete à chegada dos espanhóis. E a exportação da carne explica, em parte, o período de maior crescimento do país, na virada do século XX.

Foi por motivos econômicos, então, que a Argentina ficou conhecida pelo churrasco — um dos melhores do mundo, segundo chefes internacionais. Agora, imaginar que a classe média do país não pode pagar pela carne é mais um triste retrato da crise econômica que atinge a Argentina.

Enquanto isso, o roteiro de turistas tem cheiro de carne na grelha. Alexander, por exemplo, mora em Viena e foi à Argentina só para provar a iguaria. Ele diz que, na Europa, os cortes argentinos têm boa reputação.

O premiado chef no mercado de San Telmo, em Buenos Aires, Rodrigo Moreira não reclama. “Graças a Deus, vamos muito bem”, diz.

O cozinheiro explica que, em termos de preços internacionais, a carne do país é muito econômica. Por outro lado, para os argentinos, está mais caro comprar.

O diretor do Departamento de Economia da Universidade Católica da Argentina, Ignacio Warnes, explica que é um contexto em que o consumo no país sofre como consequência de uma série de problemas econômicos.

Um deles é a inflação, que afeta o país há vários anos. Warnes lembra que, em dezembro do ano passado, o índice superou os 25% ao mês — níveis muito altos e que estão baixando lentamente.

Medidas econômicas de Milei
Ao assumir a Presidência da Argentina, em dezembro do ano passado, Javier Milei implementou medidas duras para combater a inflação, como cortes nas despesas do Estado e nos subsídios a serviços públicos.

A alta de preços no país desacelerou nos últimos três meses. Em março, foi de 11% — ainda assim, a taxa é de 287,9% no acumulado de um ano.

“Um dos fatores que faz a gente voltar realmente é a carne. Comemos uma carne hoje que ele cortou com uma colher”, diz a brasileira Tatiana Botelho.

“Paga-se um pouco mais caro do que antigamente, mas a gente consegue. Infelizmente, eles estão passando por essa dificuldade”, complementa o companheiro de Tatiana, Fagner Muzimoto.

Fonte: G1.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

plugins premium WordPress