Pecuaristas fecham poucos negócios e preço do boi gordo cai
24 de abril de 2024
Preço do boi gordo avança em cenário de exportação em alta
25 de abril de 2024

El Niño está perto do fim e já surgem sinais de La Niña

Águas do Oceano Pacífico começam a esfriar, iniciando a transição do El Niño para La Niña — Foto: Metsul / Reprodução

O episódio de 2023/24 do fenômeno El Niño, que se caracteriza pelo aquecimento acima do normal das águas do Oceano Pacífico, se encaminha para o seu final, informa a Metsul Meteorologia. Declarado em junho do ano passado, o atual evento do El Niño foi responsável por enchentes históricas e fatais no Sul do Brasil e uma seca severa na região amazônica com nível baixo recorde do Rio Negro, no Amazonas.

O evento ainda favoreceu grandes ondas de calor acompanhadas por falta de chuvas no Centro-Sul do Brasil, com recordes de temperatura máxima em vários estados, situação que gerou fortes perdas na safra agrícola brasileira.

De acordo com o último boletim da Administração Nacional de Oceanos e Atmosfera (NOAA), dos Estados Unidos, publicado, a anomalia de temperatura da superfície do mar no Pacífico Equatorial Central está em 0,7ºC, portanto na faixa de intensidade fraca.

Já o Pacífico Equatorial, nos litorais do Peru e do Equador, estava na última semana com anomalia de -0,6ºC. Ou seja, o oceano já registra resfriamento junto à costa da América do Sul e esboça os primeiros sinais para uma transição para um fenômeno La Niña mais tarde neste ano.

Segundo a Metsul, os dados de anomalia de temperatura da superfície do mar indicam que o El Niño está nos seus momentos finais. A tendência é que o episódio do fenômeno de 2023/24 chegue ao fim no final do mês ou mais tardar em maio, seguindo-se uma fase breve de neutralidade até a instalação da La Niña.

A probabilidade é de que o fenômeno La Niña retorne e seja declarado no decorrer do inverno deste ano (no período entre junho e agosto). Não há consenso entre os modelos, mas a maioria das simulações de clima de longo prazo indica condições de La Niña no Pacífico a partir de julho ou agosto. Com base na estimativa da NOAA, haveria uma repetição do que se viu no ano passado, mas com sinal contrário.

Em 2023, a transição de La Niña para El Niño foi muito rápida. Para 2024, a agência de tempo e clima dos Estados Unidos projeta uma transição novamente muito rápida, mas desta vez de El Niño para La Niña.

Águas do Oceano Pacífico começam a esfriar, iniciando a transição do El Niño para La Niña — Foto: Metsul / Reprodução

O que é o La Niña

O fenômeno La Niña tem impactos relevantes no sistema climático global, sendo caracterizado por temperaturas abaixo do normal na superfície do Oceano Pacífico equatorial central e oriental. Essa condição contrasta com o El Niño, sua contraparte quente.

A última vez em que o La Niña esteve presente foi entre 2020 e 2023 com um longo evento do fenômeno. No Brasil, seus efeitos variam de acordo com a região.

O Sul do país geralmente experimenta menos chuva, enquanto o Norte e o Nordeste registram um aumento das precipitações. Cresce o risco de estiagem no Sul do Brasil e no Mato Grosso do Sul, embora mesmo com o La Niña possam ocorrer eventos de chuva excessiva a extrema com enchentes e inundações.

Além da chuva, o La Niña também influencia as temperaturas em diferentes partes do mundo. No Sul do Brasil, o fenômeno favorece maior ingresso de massas de ar frio, não raro tardias no primeiro ano do evento e precoces no outono no segundo ano do episódio. Por outro lado, com estiagens, aumenta a probabilidade de ondas de calor e marcas extremas de temperatura alta nos meses de verão no Sul.

Fonte: Globo Rural.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

plugins premium WordPress