Brasil poderia ser protagonista em sustentabilidade, mas governo atrapalha
19 de junho de 2024
Balizador de preços do boi gordo GPB/DATAGRO – Boletim de 19-junho-2024
20 de junho de 2024

Exportações de carne bovina dos EUA alcançam maior volume desde junho de 2023 em abril

As exportações de carne bovina dos EUA de abril totalizaram 111.580 toneladas, um leve aumento em relação ao ano anterior e a maior desde junho de 2023. O valor das exportações aumentou 5%, para US$ 898,7 milhões, também o maior desde junho. Nos primeiros quatro meses de 2024, o valor das exportações de carne bovina também aumentou 5% em relação ao ano anterior, para US$ 3,38 bilhões, apesar de uma queda de 3% no volume (423.445 toneladas).

“O México também continuou brilhando no lado da carne bovina, juntamente com o Caribe, a América Central e o Oriente Médio”, disse o presidente e CEO da Federação de Exportações de Carnes dos EUA (USMEF), Dan Halstrom.

“Esses mercados estão se beneficiando da demanda de serviços de alimentação e das vantagens cambiais em comparação com os principais mercados asiáticos. Os ventos contrários na Ásia continuam formidáveis, mas o boom do turismo no Japão ajudou a solidificar a demanda e as exportações se estabilizaram este ano, apesar da contínua fraqueza do iene e da forte concorrência da Austrália. A demanda robusta do varejo e do comércio eletrônico ajudou a carne bovina resfriada dos EUA a continuar a dominar na Coreia e em Taiwan.”

Até abril, a carne bovina dos EUA foi responsável por 69% das importações refrigeradas da Coreia e 72% de Taiwan.

México

Impulsionadas pela forte demanda de serviços de alimentação e varejo, as exportações de carne bovina dos EUA de abril para o México aumentaram 46% em relação ao ano anterior, para 21.031 toneladas. O valor das exportações aumentou 48%, para US$ 120,8 milhões – o maior desde dezembro de 2020 e o sétimo maior já registrado.

Depois de uma forte recuperação em 2023, as exportações de janeiro-abril para o México aumentaram 19%, para 77.530 toneladas, enquanto o valor aumentou em 24%, para US$ 454,3 milhões. Isso incluiu um excelente desempenho das exportações de carne bovina, que aumentaram 23% em relação ao ano anterior em volume (40.490 toneladas) e 16% em valor (US$ 108,7 milhões).

Com uma grave situação de seca e o aumento das importações de milho, o México está exportando mais gado para os Estados Unidos, exportando menos carne bovina para os Estados Unidos e importando mais carne bovina americana.

Caribe

As exportações de carne bovina para o Caribe continuaram a brilhar em abril, chegando a 2.891 toneladas – um aumento de 47% em relação ao ano anterior e a quarta maior já registrada. O valor das exportações aumentou 17%, chegando a pouco menos de US$ 23 milhões.

As exportações de janeiro a abril para a região totalizaram 11.928 toneladas, 24% a mais do que há um ano, avaliadas em US$ 99,3 milhões (aumento de 15%). As exportações de miúdos aumentaram 25% até abril, para 2.066 toneladas, avaliadas em US$ 4,8 milhões (aumento de 22%), lideradas pelo excelente crescimento em Trinidad e Tobago e pela recuperação contínua dos embarques para a Jamaica, o principal destino da região para miúdos.

Japão

As exportações de carne bovina para o Japão em abril aumentaram 6% em relação ao ano anterior em volume (21.028 toneladas) e 11% em valor (US$ 162,9 milhões).

De janeiro a abril, os embarques para o Japão ainda caíram 6% em relação ao ano anterior, com 83.720 toneladas, mas o valor alcançou um aumento de 2%, chegando a US$ 632,7 milhões.

O Japão continua sendo o principal destino em valor das exportações de carne bovina variada, principalmente comprando línguas e outros miúdos. Essas exportações aumentaram 2% até abril, para 15.042 toneladas, enquanto o valor subiu 19%, para US$ 162,3 milhões. Os estoques de carne bovina importada no final de abril caíram 16% em relação ao ano anterior, e espera-se que as compras de carne bovina americana pelo Japão permaneçam relativamente estáveis, como tem sido o caso nos primeiros quatro meses do ano. O iene fraco é um desafio significativo, especialmente quando combinado com as altas taxas de importação do Japão, mas ainda há demanda por carne bovina americana alimentada com grãos no varejo e no serviço de alimentação.

Outros mercados

Outros resultados de janeiro-abril para as exportações de carne bovina dos EUA incluem:

As exportações de miúdos em abril aumentaram 14% em relação ao ano anterior, para 25.242 toneladas, enquanto o valor aumentou 9%, para US$ 97,6 milhões. Até abril, as exportações de miúdos aumentaram 4%, para 94.661 toneladas, avaliadas em US$ 367,7 milhões (aumento de 5%). Além dos ganhos obtidos no México, no Caribe e no Japão, as exportações também se recuperaram dos baixos níveis do ano passado para o Egito e aumentaram para o Peru, Gabão, Chile, Honduras e Marrocos.

O aumento acentuado das exportações de cortes musculares de carne bovina para os Emirados Árabes Unidos, Kuwait e Qatar, juntamente com os maiores embarques de miúdos para o Egito, impulsionaram um abril forte para a carne bovina dos EUA no Oriente Médio. As exportações de abril aumentaram 26%, para 4.882 toneladas, avaliadas em US$ 25 milhões (aumento de 32%). Apesar dos contínuos desafios logísticos e econômicos na região, as exportações de janeiro a abril subiram 37% em relação ao ano anterior, para 19.444 toneladas, avaliadas em US$ 86,4 milhões (aumento de 38%), impulsionadas pela forte demanda de serviços de alimentação e pelo aumento do turismo em áreas distantes do Mar Vermelho, bem como pela demanda emergente do varejo.

Lideradas pelo crescimento no Panamá e em Honduras, as exportações de carne bovina para a América Central em abril aumentaram 20% em relação ao ano anterior, para 1.784 toneladas, enquanto o valor subiu 3%, para US$ 11,9 milhões. As exportações de janeiro-abril para a região aumentaram 8% em volume (7.492 t) e 12% em valor (US$ 54,4 milhões), já que o volume de exportação continuou a aumentar para o principal mercado, a Guatemala, e a tendência foi de aumento para Honduras, Nicarágua e Panamá.

As exportações de carne bovina para o Canadá em abril totalizaram 8.247 toneladas, um aumento de apenas 1% em relação ao ano anterior, mas o valor subiu 18%, para US$ 77,3 milhões. As exportações de janeiro-abril seguiram uma tendência semelhante, aumentando 17% em valor, para US$ 271,6 milhões, apesar de uma leve queda no volume (30.327 t, queda de 1%).

As exportações de carne bovina para o principal mercado em valor, a Coreia, apresentaram tendência de queda em abril, de 20%, para 19.929 toneladas, enquanto o valor das exportações caiu 8%, para US$ 186,1 milhões. Nos primeiros quatro meses do ano, os embarques para a Coreia caíram 11% em volume, para 78.897 toneladas, mas ainda subiram 5% em valor, para US$ 740,1 milhões. Conforme observado acima, os EUA continuam sendo o principal fornecedor de carne bovina resfriada da Coreia, capturando 69% do mercado de carne resfriada importada.

As exportações de carne bovina de abril para Taiwan caíram 4% em relação ao ano anterior, para 5.402 toneladas, mas o volume foi o mais alto desde agosto. O valor das exportações de abril teve um leve aumento de US$ 58,8 milhões. As exportações de janeiro a abril para Taiwan caíram 14%, para 17.514 toneladas, e o valor caiu 4%, para US$ 191,5 milhões. Como também observado acima, os EUA continuam dominando as importações de carne bovina resfriada de alta qualidade de Taiwan, com 72% de participação no mercado.

Embora as exportações de carne bovina para a China/Hong Kong tenham caído 12% em relação ao ano anterior, com 18.665 toneladas, e o valor tenha caído 9%, para US$ 170 milhões, as exportações para a China (16.526 toneladas) foram as maiores desde maio de 2023. Até abril, as exportações para a China/Hong Kong caíram 9% em volume (69.787 toneladas) e 4% em valor (US$ 639,8 milhões). A demanda chinesa por carne bovina dos EUA continua em um caminho distinto do dos enormes volumes de carne bovina alimentada com capim da América do Sul. Embora os preços de exportação da carne bovina brasileira tenham caído recentemente em um terço e os volumes tenham aumentado, a China está comprando volumes mais consistentes de carne bovina dos EUA, com grandes prêmios em comparação com os preços pagos pelos produtos dos concorrentes.

O valor das exportações de carne bovina em abril foi equivalente a US$ 416,87 por cabeça de abate, 6% abaixo do valor de um ano atrás, mas a média de janeiro a abril ainda estava 5% acima, para US$ 410,25. As exportações representaram 14,1% da produção total de carne bovina em abril e 11,7% dos cortes musculares – abaixo dos altos índices registrados há um ano (15,7% e 13,5%, respectivamente). De janeiro a abril, as exportações representaram 13,9% da produção total e 11,6% dos cortes musculares, cada um com uma queda de cerca de meio ponto percentual em relação ao ano anterior.

Fonte: USMEF, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

plugins premium WordPress