JBS vai investir R$ 10 milhões para projeto de pecuária regenerativa na Amazônia
22 de maio de 2024
Balizador de preços do boi gordo GPB/DATAGRO – Boletim de 22-maio-2024
23 de maio de 2024

Iowa é o terceiro estado dos EUA a criar legislação sobre carne cultivada em laboratório

Em um esforço para manter a confiança dos consumidores e proteger os produtores de gado, a governadora de Iowa, Kim Reynolds, recentemente sancionou a lei SF 2391, um projeto de lei que proíbe a rotulagem incorreta de determinados produtos alimentícios, incluindo carne cultivada em laboratório.

A partir de 1º de julho, a carne cultivada em laboratório e os produtos de imitação de carne e ovos à base de plantas deverão ser rotulados com palavras como falso, cultivado em laboratório, sem carne, imitação ou vegano, se vendidos em lojas de Iowa. As exigências de rotulagem também se aplicam a alternativas de carne feitas com proteína de inseto.

“Essa legislação proíbe que as empresas explorem a confiança que os consumidores têm em nossos produtores de gado e enganem os consumidores para que comprem produtos que não desejam”, disse ela. “Trata-se de transparência. Trata-se da ideia de senso comum de que um produto rotulado como frango, carne bovina ou suína deve realmente vir de um animal.”

A deputada Heather Hora, R-Washington, patrocinou o projeto de lei na Câmara. Como produtora de carne suína, ela diz que o projeto de lei protege o dinheiro dos produtores que são usados para comercializar carne e ovos.

De acordo com um artigo da Rádio Pública de Iowa (IPR), a lei exigirá que o Departamento de Inspeções, Apelações e Licenciamento de Iowa inspecione as fábricas de processamento de alimentos ou mercearias para verificar a conformidade se receberem uma reclamação confiável sobre produtos alimentícios rotulados erroneamente como carne. A lei também prevê penalidades para quem não seguir as regras de rotulagem.

Além disso, a lei proíbe que distritos escolares, faculdades comunitárias e universidades públicas de Iowa comprem carne cultivada em laboratório e qualquer alimento rotulado erroneamente como carne ou produtos à base de ovos. Além disso, a lei exige que o estado solicite uma isenção federal para proibir o uso de assistência alimentar federal para comprar imitações de ovos.

Embora muitos tenham elogiado a legislação, alguns democratas disseram que seu problema era com a compra de alternativas aos ovos.

No mesmo dia, a governadora Reynolds assinou o HF 2649, um projeto de lei que oferece isenção de ganhos de capital para pecuaristas que vendem determinadas classes de gado. Esse foi um projeto de lei para restabelecer as isenções fiscais anteriores que haviam terminado em 2022.

“Nosso código tributário deve promover a produção pecuária, que sabemos que muitas vezes é a forma como os produtores iniciantes começam”, disse o deputado Derek Wulf, R-Hudson, que co-patrocinou o projeto de lei. “Sabemos que a produção de gado apoia as comunidades rurais e impulsiona nossa atividade econômica rural… Queremos ter certeza de que não aumentaremos os impostos sobre nossos produtores de gado e fazendeiros aqui neste estado.”

Legislação contínua contra carne cultivada em laboratório

Iowa se torna o terceiro estado do país a aprovar legislação sobre carne cultivada em laboratório. A Flórida e o Alabama aprovaram leis que proíbem a venda de produtos alternativos de carne cultivada em células em seus estados este mês. A lei da Flórida foi assinada pelo governador Ron DeSantis em 1º de maio de 2024, e a governadora do Alabama, Kay Ivey, assinou a Lei do Alabama, que proíbe “a fabricação, venda ou distribuição de produtos alimentícios feitos de células animais cultivadas”, em 7 de maio.

Jack Hubbard, diretor executivo do Center for the Environment and Welfare, compartilha que os consumidores têm várias preocupações com relação à carne cultivada em células.

“Os legisladores de todo o país estão lutando contra a crescente preocupação dos consumidores com relação ao uso de células imortalizadas, biorreatores, produtos químicos e a falta de estudos de saúde de longo prazo na carne cultivada em laboratório”, diz Hubbard. “Acho que grande parte dessa atividade legislativa é composta por políticos e representantes eleitos que expressam e agem de acordo com as preocupações dos eleitores que dizem ‘o que é isso e se fizemos a devida diligência’. E, para ser franco, há um grande fator de repulsa que muitas pessoas têm quando realmente ficam sabendo como isso é feito.”

Hubbard prevê que outros estados provavelmente seguirão o exemplo e criarão uma legislação.

“Do ponto de vista da transparência, parece ser a coisa certa que os consumidores devem ter o direito de saber o que estão comprando”, diz ele.

Fonte: Drovers, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

plugins premium WordPress