Exportações do agronegócio cresceram 2,8% em fevereiro e somaram US$ 6,5 bilhões
17 de março de 2021
Novas exigências do comprador são uma oportunidade de desenvolvimento da pecuária brasileira
17 de março de 2021

Minerva Foods eleva investimentos na busca por proteínas alternativas

Foto: Divulgação Minerva

A busca por proteínas alternativas – com menor pegada de carbono – ganhou um reforço da Minerva Foods, maior exportadora de carne bovina da América do Sul e dona de um faturamento anual de R$ 20 bilhões. 

O braço de venture capital do grupo brasileiro vai investir US$ 5 milhões em uma joint venture com a Amyris, uma firma de biotecnologia que já desenvolveu adoçante sem calorias e canabinoide, composto tipicamente retirado de cannabis para tratamentos médicos, a partir do xarope de cana-de-açúcar. 

A sócia da Minerva na nova joint venture domina a técnica da fermentação, com a utilização de leveduras geneticamente modificadas. Listada na Nasdaq desde 2010, a Amyris já vale mais de US$ 5 bilhões, mas ainda é uma companhia que tem foco no desenvolvimento de moléculas e não gera caixa. 

Com o know-how tecnológico da Amyris e a estrutura de distribuição e comercialização da Minerva, a nova joint venture quer entrar em mercados ainda não explorados. No foco, está o desenvolvimento de um conservante natural – a partir da fermentação – que ajude a estender o prazo de validade da carne e menor nível de emissões de CO2. 

A expectativa é que os primeiros produtos sejam lançados em um ano e meio. A Minerva terá 60% da sociedade, de acordo com o presidente da companhia, Fernando Galletti de Queiroz. 

A parceria também contempla o desenvolvimento de proteínas alternativas, um nicho que explodiu nos últimos anos com o hambúrguer vegetal da americana Beyond Meat – uma foodtech atualmente avaliada em mais de US$ 8 bilhões.

“Ao invés de deixar empresas novas, como Beyond Meat, tirarem o mercado, achamos que a Minerva pode ser líder”, afirmou, em entrevista ao Valor, o CEO da Amyris, o português John Melo.

Criada em 2003 por cientistas da Universidade da Califórnia, a Amyris recebeu, ainda em seus primeiros anos de atuação, um prêmio da Fundação Bill & Melinda Gates pelo desenvolvimento de um remédio contra a malária. 

No Brasil, a Amyris está construindo uma fábrica em Barra Bonita, no interior de São Paulo, um investimento da ordem de US$ 75 milhões que deverá ficar pronto no próximo ano. 

A cana-de-açúcar, muito usada na técnica de fermentação da biotech, faz do Brasil um país relevante para a Amyris, que também conta com uma fábrica-piloto em Campinas – a companhia mantém uma parceria com a holandesa DSM para usar uma unidade em Brotas, também no interior paulista, que já pertenceu a ela. 

Nos EUA, a biotech tem uma fábrica-piloto em Emeryville, na Califórnia, e outra na Carolina do Norte. A Amyris também atua na Espanha com um parceiro. O faturamento da biotech é de pouco mais de US$ 100 milhões.

Considerando a sociedade com a Amyris, a Minerva já comprometeu quase metade dos US$ 30 milhões destinados ao fundo de venture capital lançado no ano passado – o primeiro investimento foi na startup americana Clara, que desenvolve alternativas veganas, e na brasileira Shopper, um serviço de compras de alimentos por assinatura. Não há prazo para a Minerva concluir os US$ 30 milhões em aportes, disse Edison Ticle, diretor financeiro e de relações com investidores da Minerva. 

Fonte: Valor Econômico.

Os comentários estão encerrados.

plugins premium WordPress