Cepea: Carne exportada atinge valor recorde
7 de agosto de 2015
Mercado físico do boi gordo –06-08-2015
7 de agosto de 2015

Pesquisadores criam substância que inibe infecção por mal da vaca louca

Pesquisadores europeus criaram uma substância que bloqueia a infecção em roedores por agentes da encefalopatia espongiforme bovina (EEB), conhecida como mal da vaca louca. Esse é um importante passo para o desenvolvimento do primeiro medicamento contra a doença, que também afeta seres humanos, segundo estudo divulgado nesta quarta-feira (5).

Esta substância, chamada politiofeno, previne a aglutinação tóxica de agentes infecciosos (príons) no cérebro, informaram os pesquisadores no artigo publicado na revista “Science Translational Medicine”.

Quando as proteínas que formam os príons sofrem mutação, elas podem infectar o cérebro e causar uma doença neurodegenerativa rara, muitas vezes fatal, como a EEB em vacas, ou a nova variante da doença de Creutzfeldt-Jakob (nvMCJ) em seres humanos.

Esses agentes infecciosos se multiplicam desencadeando nas proteínas saudáveis uma reação de aglutinação, que provoca a formação de longas cadeias de fibras muito tóxicas para os neurônios.

Os pesquisadores testaram uma ampla gama de politiofenos em ratos infectados com príons para determinar quais os mais eficientes em matéria de neutralização, e conseguiram criar novos politiofenos com capacidades aumentadas de bloqueio, minimizando os danos ao cérebro.

O politiofeno mais promissor, que prolongou a vida dos infectados em mais de 80%, foi testado contra duas matrizes de príons e parece ter agido desde as primeiras fases do fenômeno de aglutinação, segundo os pesquisadores do Instituto de Neurologia da Universidade de Zurique (Suíça) e do Instituto de biologia e química de proteínas da Universidade de Lyon (França).

De acordo com eles, esta descoberta pode permitir a criação de uma nova classe de medicamentos.

Fonte: G1, resumida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Os comentários estão encerrados.

plugins premium WordPress