Balizador de preços do boi gordo GPB/DATAGRO – Boletim de 21-maio-2024
22 de maio de 2024
JBS vai investir R$ 10 milhões para projeto de pecuária regenerativa na Amazônia
22 de maio de 2024

Uruguai decide rejeitar compra de frigoríficos da Marfrig pela Minerva

Foto: Divulgação Minerva

A Comisión de Promoción Y Defensa de la Competencia (Coprodec), autoridade concorrencial do Uruguai, não autorizou a compra de três unidades frigoríficas da Marfrig pela Minerva no país, nos termos que foram pleiteados pela companhia quando o negócio foi fechado no ano passado. As plantas de abate de bovinos estão em Colônia, Salto e San José.

A Minerva afirmou em comunicado que tomou conhecimento da decisão nesta terça-feira (21/5) e está avaliando os termos colocados pela autoridade. “[A decisão] não é definitiva e segue sujeita a recurso tanto em sede administrativa quanto em sede judicial, o que deve ser consumado nos próximos dias”, ressaltou.

A acordo firmado entre as duas empresas incluía 16 plantas da Marfrig na América do Sul, que seriam vendidas à Minerva por R$ 7,5 bilhões. Do total, R$ 1,5 bilhão já foram pagos. Os ativos localizados no Uruguai são avaliados em R$ 675 milhões.

Apesar da negativa do Uruguai, os demais processos de compra seguem em análise pelos órgãos responsáveis nos seus respectivos países. “Nesse sentido, a decisão [uruguaia] não afeta a transação referente à aquisição, pela companhia, dos estabelecimentos industriais e comerciais de propriedade da vendedora no Brasil, na Argentina e no Chile”, disse a Minerva.

“O fechamento da Operação – América do Sul, ainda sujeito à verificação de determinadas condições, incluindo a aprovação pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica – CADE, não é condicionado ao fechamento da Operação – Uruguai”, acrescentou.

Também em nota, a Marfrig reforçou que a decisão uruguaia “em nada altera os termos e condições contratados para a alienação pela companhia para a Minerva dos demais Ativos da Operação (aqueles localizados no Brasil, Chile e Argentina), em nada afetando o fechamento do negócio nas demais jurisdições assim que as respectivas condições precedentes aplicáveis estejam satisfeitas”.

Fonte: Globo Rural.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

plugins premium WordPress