Canadá pode suspender embargo de carne da UE em 15 dias
15 de março de 2001
Aeroporto faz controle contra aftosa
19 de março de 2001

Avaliação econômica de diferentes alternativas de suplementação de bovinos na seca em sistemas de recria e acabamento

Marcelo de Queiroz Manella1 e Celso Boin2

O período das secas na produção de bovinos de corte é um dos pontos mais críticos dentro do sistema de produção, sendo que é possível ser contornado através da complementação alimentar no período. A suplementação do animal na primeira seca com dietas equilibradas, permite que os animais atinjam mais rapidamente o peso de abate.

Com o objetivo de avaliar os efeitos de diferentes níveis nutricionais na suplementação de bovinos no período das secas sobre ganho de peso e avaliação de custo, foi conduzido trabalho em Jaboticabal por Berchielle et al. (1997). Foram bovinos cruzados (1/2 nelore x 1/2 holandês) com 9 meses de idade, distribuídos nos seguintes tratamentos: A- animais a pasto; B- confinados na 1ª seca e 2ª seca com dietas para ganho de 1200kg/d; C- pasto na 1ª seca e confinados na 2ª seca com ração completa para 1200kg/d de ganho; D- confinados na 1ª e 2ª seca com dietas para ganho de 0,500kg/d; E- confinados na 1ª seca com dieta para 0,500kg/d de ganho e confinado na 2ª seca com dietas para ganho de 1200kg/d. No período das águas os animais faziam rotação em piquetes formados de Panicum maximum. Na análise de custo, foi considerado, como arrendamento do pasto,15% do valor da arroba da época, além dos custos dos outros alimentos.

Tabela 1: Composição da dieta no período das secas*

Tabela 1

Na tabela 2 são mostradas as médias de ganho de peso no período total (414d) de experimento (kg/d), a idade ao abade e o custo da suplementação.

Tabela 2: Desempenho e custo de bovinos machos

Tabela 2

O tratamento B propiciou o maior ganho de peso e consequentemente a menor idade ao abate, porém foi o tratamento que apresentou maiores custos. O tratamento A atingiu o peso de abate (16@) cerca de 9 meses após o B. Ao considerar os custos e a idade ao abate dos animais, os autores concluíram que o tratamento E seria a melhor alternativa.

Comentários BeefPoint: Ganhos de 500g/d durante a primeira seca são possíveis de serem obtidos com a suplementação protéica (Manella et al. 2000) sem a necessidade de confinamento, para ao final do período das águas subsequentes apresentarem peso ideal para confinamento A primeira seca logo após a desmama terá repercussão no desempenho futuro dos animais. Alguns autores relatam que os ganhos médios de novilhos mantidos a pasto e suplementados no primeiro inverno, deve ser de 400 a 600g/d, e a melhora nos ganhos no primeiro período seco dos animais pode antecipar a idade de abate. Economicamente a antecipação da idade de abate é altamente viável, tendo também a possibilidade de aumentar o giro, planejar a distribuição da produção por um período mais longo do ano, e ainda desocupar os pastos para outras categorias animais.

__________________________________________________________
1. Doutorando, Ciência Animal e Pastagens, ESALQ/USP
2. Eng. Agr., PhD, Prof. Convidado, ESALQ/USP, Consultor

Fonte: Berchielli, T. T.; Andrade, P.; Kronka, s.n. Efeitos de diferentes níveis nutricionais durante a seca, na recria e acabamento de bovinos de corte. ARS Veterinária, v.13, n. 2, p.157-163. 1997.

Os comentários estão encerrados.

plugins premium WordPress