Canadá pode suspender embargo de carne da UE em 15 dias
15 de março de 2001
Aeroporto faz controle contra aftosa
19 de março de 2001

Controle farmacológico do ciclo estral com emprego de progesterona e progestágenos

Ed Hoffmann Madureira

No início da década de 40, a progesterona tornou-se disponível e foi empregada para controlar o ciclo estral de ruminantes. Utilizavam-se injeções diárias de aproximadamente 100 mg por um período de 14 dias. Após o término da seqüência de injeções ocorria uma sincronização dos estros e da ovulação numa grande proporção de animais tratados (JÖCHLE, 1993).

Nos anos 50, vários progestágenos, ativos pela via oral, foram sintetizados e puderam substituir a progesterona, na criação de um “corpo lúteo” artificial. Um dos mais amplamente utilizados foi o acetato de melengestrol (MGA – ZIMBELMAN; SMITH, 1966).

Tratamentos nos quais o MGA era empregado por 10 a 18 dias possibilitavam alta porcentagem de animais em estro, porém a taxa de concepção do primeiro serviço era em média 14% menor. Esta redução na fertilidade foi temporária e restrita a um período de 10 dias após o tratamento (ZIMBELMAN et al., 1970).

WILTBANK; KASSON (1968) observaram que os tratamentos com progestágenos por menos do que 14 dias não reduziam a taxa de concepção, mas para serem eficazes, um agente luteolítico necessariamente deveria ser incorporado ao sistema de sincronização.

O uso de estrógeno como luteolítico, em conjunto com progestágenos, foi inicialmente explorado por WILTBANK et al. (1965) e esta combinação resultou, 5 anos mais tarde, no sistema Syncro-MateB (SMB – WILTBANK et al., 1971).

WILTBANK; GONZALEZ-PADILHA (1975) relataram a indução e sincronização de estros, em novilhas que não estavam ciclando, após a utilização do sistema SMB, que consistiu do inserção de um implante auricular contendo 6 mg de norgestomet, que permaneceu por 9 dias, associado a uma injeção intramuscular de 5 mg de valerato de estradiol e 3 mg de norgestomet, administrado no momento da colocação do implante. O implante de norgestomet serviria como um corpo lúteo artificial, e a injeção (norgestomet e valerato de estradiol) inibiria a formação ou iniciaria a regressão do corpo lúteo.

O sistema SMB claramente resulta em altas porcentagens de resposta em estros (77-100%), sendo que taxas superiores a 90% são encontradas na maioria dos trabalhos publicados. As taxas de concepção deste estro, no entanto, variaram de 33 a 68% (ODDE, 1990).

Quando a prostaglandina F2a (PGF) foi identificada como o fator uterino luteolítico no ciclo estral de fêmeas ovinas e bovinas (McCRAKEN et al., 1972; KNICKERBOCKER et al., 1988), análogos sintéticos foram desenvolvidos e puderam ser utilizados para induzir luteólise prematura durante o diestro. Protocolos que empregavam 2 aplicações de PGF com 11 dias de intervalo foram desenvolvidos por LAUDERDALE (1975). Entretanto, este tratamento não possui um grau de sincronização preciso o suficiente para que o inseminação artificial (IA) possa ser realizada em momento pré-fixado.

De fato, quando injetada durante o diestro, a PGF induz a regressão morfológica e funcional do corpo lúteo permitindo o crescimento e a ovulação do folículo dominante, num período que pode variar de 2 a 6 dias. Segundo KASTELIC et al. (1990) esta variação não é devida às diferenças na velocidade da regressão luteínica e sim às diferenças no estado de maturação do futuro folículo ovulatório no momento do tratamento com PGF.

A associação de um progestágeno com PGF como agente luteolítico, ao invés da administração de estrógeno, tornou-se bastante popular à partir da década de 70. Entretanto, tratamentos de 7 dias com MGA e uma dose de PGF aplicada no 7o dia apresentaram redução na taxa de concepção dependendo do monmento do ciclo estral no qual o tratamento se iniciava.

A taxa de concepção foi maior quando o início do tratamento ocorreu até o 13o dia do ciclo estral (66,0%), em relação ao grupo tratado entre o 14o e o 20o dias do ciclo (36,0% – BEAL et al., 1988).

Portanto, a causa da redução de fertilidade poderia ser explicada pelo aumento do intervalo interovulatório que provocava atraso na ovulação e formação de folículos persistentes. Os folículos persistentes secretam grandes quantidades de estradiol, por um período anormalmente longo, e foram correlacionados com a baixa fertilidade que ocorre, quando os tratamentos são inciados no final do ciclo estral (BEAL et al., 1990; CUSTER et al., 1994).

Outros trabalhos demonstraram que os tratamentos com progestágenos iniciados na ausência de corpo lúteo (RAJAMAHENDRAN; TAYLOR, 1991; KOJIMA et al., 1992; SANCHES et al., 1993) permitem um padrão secretório de LH característico da fase folicular, ou seja, alta freqüência e baixa amplitude e não um padrão característico de diestro, baixa freqüência e alta amplitude (RAHE et al., 1980; WALTERS et al., 1984) resultando na manutenção prolongada do folículo dominante, interrompendo o padrão usual do crescimento folicular em ondas.

Este padrão secretório de LH desencadeia os mecanismos de maturação nuclear, mas não é suficiente para provocar a ovulação, que só ocorre quando se interrompe a administração do progestágeno. Portanto, parece que os folículos persistentes ovulam ovócitos “envelhecidos” e menos férteis (KOJIMA et al., 1992).

À medida em que os conhecimentos sobre a dinâmica folicular e efeitos de progesterona e progestágenos sobre o desenvolvimento folicular foram crescendo, durante a década de 90, alteraram-se os princípios empregados na concepção de protocolos de sincronização do estro. Talvez um dos principais conceitos introduzidos, neste momento, tenha sido o de que incrementos na taxa de concepção poderiam ser obtidos com a atresia do folículo dominante, no início do tratamento com progesterona/progestágeno, impedindo-se assim, a formação de folículos persistentes, permitindo o desenvolvimento de uma nova onda folicular, da qual resultaria o folículo dominante ovulatório apto à fertilização.

BO et al. (1994) verificaram que o tratamento com 17b-estradiol associado aos progestágenos é capaz de provocar a regressão folicular, resultando na emergência de uma nova onda folicular, em média 4,3 dias após o tratamento.

A sincronização da emergência de um novo folículo, durante o período de administração de progesterona/progestágeno, proporciona pelo menos duas vantagens: 1) evita-se a formação de folículos persistentes o que diminui a possibilidade de redução da taxa de concepção e 2) homogeniza-se o “status” folicular ao final do tratamento, de modo que os estros são melhor agrupados, tornando a IA em tempo fixo uma realidade.

Com base nestes resultados, pode-se compreender melhor a ação da injeção de norgestomet + valerato de estradiol que faz parte dos sistemas SMB e Crestar. Ela não só inibe a formação ou inicia a regressão do C.L. como também provoca atresia dos folículos dominantes presentes no ovário, quando do início do tratamento, sincronizando a emergência da nova onda folicular. Devido ao fato do valerato de estradiol possuir vida média muito longa, os implantes deverão permanecer por 9 ou 10 dias.

Produtos como CIDR ou PRID constam de dispositivos vaginais, revestidos com silicone misturado à progesterona.

Com o objetivo de provocar atresia nos folículos dominantes e sincronizar a emergência da nova onda folicular, recomenda-se a aplicação de 1,0 a 2,0 mg de benzoato de estradiol no momento de colocação dos dispositivos. Como o benzoato de estradiol possui uma vida média curta, os dispositivos poderão permanecer por um período mais curto (7 ou 8 dias). Entretanto, o benzoato de estradiol não parece ser tão eficaz quanto o valerato de estradiol para provocar regressão luteínica, de modo que uma aplicação de PGF se faz necessária no momento em que os dispositivos são retirados.

Os sistemas SMB, Crestar, CIDR e PRID oferecem alta porcentagem de animais em estro, num período bastante curto, o que possibilita a realização de uma I.A. em tempo fixo, geralmente entre 48 e 60 horas após a retirada dos implantes ou dispositivos vaginais.

Se isto ocorre, é porque o “status” folicular, no final do tratamento é bastante homogêneo entre os animais o que possibilitaria a sincronização da ovulação, mediante a aplicação de drogas que desencadeiem o pico pré-ovulatório de LH.

VASCONCELOS et al (1997) recomendaram a aplicação de GnRH 30 horas após a retirada dos implantes de SMB e I.A. 24 horas após a aplicação de GnRH.

A aplicação de 0,5 a 1,0 mg de benzoato de estradiol 24 horas após a retirada dos implantes sincroniza o estro e a ovulação aumentando inclusive a porcentagem de fêmeas bovinas que ovulam após o tratamento (MACMILLAN, 1999).

Segundo CAVALIERI et al (1997) a aplicação de 400 UI de eCG, no momento de retirada dos implantes, provocou um incremento no grau de sincronização, com redução significativa da variação no tempo para a ovulação e para o pico de LH.

É possível, portanto, não só sincronizar o estro, mas também a ovulação pelo uso de GnRH, Benzoato de estradiol ou eCG e realizar a I.A. em tempo fixo.

Qual a real vantagem de se realizarem as I.A. em tempo fixo sem necessidade de detecção de cios?

É a de que 100% das fêmeas podem ser inseminadas após os tratamentos de sincronização da ovulação, enquanto que apenas cerca de 60% delas são inseminadas, num período de 3 semanas, num sistema tradicional. Isto significa dizer que a taxa de serviçoa pode ser de 100% desde que a taxa de concepçãob seja aceitável o que já é uma realidade.

Entretanto, esta conclusão nos remete a uma outra questão: visto que nem todas as fêmeas cujas ovulações foram sincronizadas tornar-se-ão prenhes o problema das falhas de detecção de cios e conseqüentemente a diminuição de taxa de serviço não ressurgiria à medida em que as fêmeas não prenhes tiverem que ser re-inseminadas?

Certamente que sim. Apenas cerca de 50% das fêmeas que retornam ao estro são re-inseminadas. Portanto, a sincronização do retorno ao estro pode ser tão importante quanto a sincronização de estros que precede a primeira I.A.

Neste sentido, MACMILLAN (1999) propôs um esquema de re-sincronização de estros que consiste em reimplantar os CIDR previamente utilizados, nas fêmeas bovinas, duas semanas após a I.A. Recomendou também a injeção de 1,0 mg de benzoato de estradiol no dia da inserção e a remoção do dispositivo 7 dias após, sem, logicamente, aplicar-se PGF.

As vacas devem ainda receber uma baixa dose de benzoato de estradiol (0,5 ml) 24 horas após a retirada do CIDR e serem inseminadas à medida em que forem sendo detectadas em estro.

Valendo-se do uso deste protocolo MACMILLAN (1999) obteve 48,3% de taxa de prenhezc na primeira I.A., atingiu 76,6% após a segunda I.A., possibilitada pela re-sincronização, chegando à 84,8% quando realizou uma terceira rodada de I.A. proporcionada por uma re-sincronização adicional. Ressalte-se que este índice de prenhez foi obtido num período de 45 dias dos quais apenas 7 dias foram gastos com detecção de cios e I.A.

A grande maioria dos protocolos de sincronização de estro/ovulação vem sendo aplicada com sucesso no Brasil, tanto em animais zebuínos, quanto taurinos e mestiços de corte e leite. Há, entretanto, necessidade de uma maior divulgação e emprego desta tecnologia, no rebanho nacional, o que certamente trará incrementos significativos de produtividade.

a taxa de serviço = no de animais inseminados em relação ao no de animais disponíveis para I.A.

b taxa de concepção = no de animais prenhes em relação ao no de animais inseminados

c taxa de prenhez = no de animais prenhes em relação ao no de animais tratados ou disponíveis para I.A. Em outras palavras

Referências Bibliográficas

BEAL, W.E.; CHENAULT, J.R.; DAY, M.L.; CORAH, L.R. Variation in conception rates following synchronization of estrus with Melengestrol acetate and prostaglandin F2a Journal of Animal Science, v.66, p.599-602, 1988.

BEAL, W.E.; PERRY, R.C.; CORAH, L.R. Follicular development in cows fed melengestrol acetate to synchronize estrus. J. Anim. Sci. , v.68, p.12, 1990, Suppl.1.

BO, G.A.; ADAMS, G.P.; PIERSON, R.A. TRIBULO, H.E.; CACCIA, M.; MAPLETOLF, R.J. Follicular wave dynamics after estradiol-17b treatment of heifers with or without a progestogen implant. Theriogenology, v.41, p.1555-1569, 1994.

CAVALIERI, J.; RUBIO, I.KINDER, J.E.; ENTWISTLE, K.W.; FITZPATRICK, L.A. Synchronization of estrus and ovulation and associated endocrine changes in Bos indicus cows. Theriogenology, v.47, p.801-814, 1997.

CUSTER, E.E.; BEAL, W.E.; WILSON, S.J.; MEADOWS, A.W.; BERARDINELLI, J.G.; ADAIR, R. Effect of Melengestrol Acetate (MGA) or Progesterone-releasing intravaginal device (PRID) on follicular development, concentration of Estradiol-17b and progesterone, and luteinizing hormone release during an artificially lengthened bovine estrous cycle. J. Anim. Sci. , v.72, p.1282, 1994.

JÖCHLE, W. Forty years of control of the oestrous cycle in ruminants. Progress made, Unresolved problems and the potential impact of sperm encapsulation technology. Reprod. Fertil. Dev. , v.5, p.587-594, 1993.

KASTELIC, J.P.; KNOF, L.; GINTHER, J. Effect of day of prostaglandin F2a treatment on selection and development of the ovulatory follicle in heifers. Animal Reproduction Science, v.32, p.169-180, 1990.

KOJIMA, N.; STUMPF, T.T.; CUPP, A.S.; WERTH, L.A. ROBERSON, M.S.; WOLFE, M.W.; KITTOK, R.J.; KINDER, J.E. Exogenous progesterone and progestins as used in estrous synchrony regimens do not mimic the corpus luteum in regulation of luteinizing hormone and 17b-estradiol in circulation of cows. Biol. Reprod. , v.47, p.1009-1017, 1992.

MACMILLAN, K.L. Pkarmacological control of the oestrus cycle to improve the reproductive performance of cattle. Rev. Bras. Reprod. Anim. , v.23, n.2, 1999.

MACMILLAN, K.L.; BURKE, C.R. Effects of oestrous cycle control on reproductive efficiency. Animal Reproduction Science, v.42, p.307-320, 1996.

ODDE, K.G. A review of synchronization of estrus in postpartum cattle. J. Anim. Sci. , v.68, p.817-830, 1990.

RAHE, C.H.; OWENS, R.E.; FLEEGER, J.L.; NEWTON, H.L.; HARMS, P.G. Patterns of plasma luteinizing hormone in the cyclic cow: dependence upon the period of the cycle. Endocrinol. , v.107, p.498-503, 1980.

RAJAMAHENDRAN, R.; TAYLOR, C. Follicular dynamics and temporal relationships among body temperature, oestrus, the surge of luteinizing hormone and ovulation in Holstein heifers treated with Norgestomet. J. Reprod. Fert. , v.92, p.461-467, 1991.

SANCHEZ, T.; WEHRMAN, M.E.; BERGFELD, E.G.; PETERS, K.E.; KOJIMA, F.N.; CUPP, A.S.; MARISCAL, V.; KITTOK, R.J.; KINDER, J.E. Pregnancy rate is greater when corpus luteum is present during th period of progestin treatment to synchronize time of estrus in cows and heifers. Biol. Reprod. , v.49, p.1102-1107, 1993.

WALTERS, D.L.; SHAMS, D.; SCHALLENGERG, E. Pulsatile secretion of gonadotropins, ovarian steroids and ovarian oxytocin during the luteal phase of the oestrus cycle in the cow. J. Reprod. Fertil. , v.71, p.479-491, 1984.

WILTBANK, J.N.; INGALLS, J.E.; ROWDEN, W.W. Use of progestational compounds alone or in combination with estrogen from synchronization of estrus. J. Anim. Sci. , v.24, p.990-994, 1956.

WILTBANK, J.N.; KASSON, C.W. Synchronization of estrus in cattle with an oral progestational agent and an injection of an estrogen. J. Anim. Sci. , v.27, p.113, 1968.

WILTBANK, J.N.; STURGES, J.C.; WIDEMAN, D.; LEFEVER, D.G.; FAULKNER, L.C. Control of oestrus and ovulation using subcutaneous implant and oestrogen in beef cattle. J. Anim. Sci. , v.33, p.600-606, 1971.

WITBANK, J.N.; GONZALEZ-PADILHA, E. Synchronization and induction of estrus in heifers with a progestagen and estrogen. Ann. Biol. Anim. Biochim. Biophys. , v.15, p.255, 1975.

ZIMBELMAN, R. G.; LAUDERDALE, J.W. SOKOLOWSKI, J.H. SCHALK, T.G. Safety and pharmacologic evaluations of melengestrol acetate in cattle and other animals: a review. J. Anim. Vet. Med. Assoc. , v.157, p.1528, 1970.

ZIMBELMAN, R.G.; SMITH, L.W. Control of ovulation in cattle with melengestrol acetate. I. Effect of dosage and route of administration. J. Reprod. Fertil. , v.11, p.185, 1966.

Os comentários estão encerrados.

plugins premium WordPress