Farsul discute plano alternativo para comercialização de genética
17 de julho de 2001
EUA podem retomar importações de carne argentina em dois anos
19 de julho de 2001

Definidas zonas de risco mínimo no RS

Foi anunciada ontem, em reunião ocorrida em Brasília, a criação no Rio Grande do Sul, de zonas consideradas com risco mínimo quanto à aftosa, as chamadas bandas de proteção, de onde será permitida a saída de cargas. Dessa forma, o Estado ganhará uma nova conformação para conseguir liberar o trânsito de produtos e animais para o restante do País.

Porém, o número de animais contato a serem abatidos apresentado ao Ministério da Agricultura pela Secretaria da Agricultura – de 2251 exemplares – não foi aprovado pelo ministério, que exigiu uma revisão nesse número. Essa contraproposta será avaliada na próxima terça-feira, em reunião do Fundo Estadual de Sanidade Animal (Fesa), em Porto Alegre.

Celso dos Anjos, secretário executivo do Fesa e diretor de Produção Animal da secretaria, não soube precisar em quanto tempo as áreas de risco mínimo estarão delimitadas e o trânsito liberado. “Queremos demonstrar, com análise, os locais onde o risco é reduzido. Tecnicamente, não podemos trabalhar com risco zero. Mas teremos segurança que em determinado local não há problema.”

Além da sorologia por amostragem, a determinação dessas áreas contará com um levantamento das zonas de produção e o caminho que as cargas percorrem para sair do Estado, sendo feita então uma análise de risco das áreas, a fim de oferecer segurança aos compradores dos outros estados. Essa delimitação, porém, será precedida de uma estratégia de combate à doença já em curso, como o abate sanitário dos animais-contatos e a sorologia nas diferentes áreas infectadas e de vigilância. A vacinação deve ser concluída hoje.

Na reunião realizada ontem foi analisado o relatório do combate à aftosa no RS. Luiz Carlos de Oliveira, secretário nacional de Defesa Agropecuária, afirmou que há harmonia e entrosamento entre secretaria e ministério e que alguns pontos foram esclarecidos.

Oliveira assegurou recursos para a indenização dos produtores, devido ao abate sanitário. Dois terços serão bancados pelo ministério e um terço pelo Estado, sendo que os valores serão definidos caso a caso.

Quanto à Expointer 2001, houve consenso sobre a realização da feira. A colocação em prática de alguns desses procedimentos, inclusive a criação das bandas de proteção, é que definirá as estratégias a serem adotadas para garantir a comercialização.

fonte: Zero Hora/RS (por Carolina Bahia), adaptado por Equipe BeefPoint

Os comentários estão encerrados.

plugins premium WordPress