Seca preocupa e pecuaristas vão às negociações para ‘segurar’ preço do boi gordo
30 de abril de 2024

EUA testarão carne moída em estados com surtos de gripe aviária em vacas leiteiras

O governo dos EUA disse na segunda-feira que está coletando amostras de carne moída em lojas de varejo em estados com surtos de gripe aviária em vacas leiteiras para testes, mas continua confiante de que a carne é segura.

As autoridades federais estão tentando verificar a segurança do leite e da carne após a confirmação do vírus H5N1 em 34 rebanhos de gado leiteiro em nove estados desde o final de março e em uma pessoa no Texas.

Tanto o Centro de Controle e Prevenção de Doenças quanto a Organização Mundial da Saúde afirmaram que o risco geral para a saúde pública é baixo, mas é maior para as pessoas expostas a animais infectados.

Os cientistas acreditam que os surtos estão mais disseminados em vacas do que o relatado oficialmente, com base em descobertas de partículas de H5N1 em cerca de 20% das amostras de leite. A U.S. Food and Drug Administration (Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA) disse na sexta-feira que os resultados preliminares dos testes de PCR padrão ouro mostraram que a pasteurização matou o vírus da gripe aviária no leite.

O Departamento de Agricultura dos EUA analisará amostras de carne moída no varejo com testes de PCR que indicam “se há partículas virais presentes”, de acordo com um comunicado. Parte da carne moída é oriunda de vacas de descarte da indústria leiteira.

O USDA começou a exigir, na segunda-feira, que as vacas leiteiras em lactação apresentem resultado negativo para gripe aviária antes de serem transportadas para outros estados, já que as autoridades estão tentando conter o vírus.

O departamento disse neste fim de semana que o teste não é necessário para as vacas que são transportadas através das fronteiras estaduais diretamente para as instalações de abate dos celeiros onde são vendidas. Esses bovinos precisam apenas de documentação que comprove que foram inspecionados por um veterinário.

O USDA disse que inspeciona cada animal antes do abate, e todas as carcaças de gado devem passar pela inspeção após o abate para entrar no suprimento de alimentos para humanos.

Na semana passada, o USDA disse ter encontrado gripe aviária em uma amostra de tecido pulmonar de uma vaca leiteira assintomática que foi enviada para o abate de um rebanho infectado. O animal não entrou no suprimento de alimentos, de acordo com o departamento.

O USDA agora está coletando amostras de músculo bovino em instalações de abate de gado leiteiro de descarte para determinar a presença de partículas virais, de acordo com o comunicado. Todos os testes PCR positivos para amostras de varejo ou de abate serão avaliados quanto à presença de vírus vivos, informou o USDA.

O USDA também usará um “substituto do vírus” na carne moída e a cozinhará em diferentes temperaturas para determinar como o vírus é afetado, de acordo com o comunicado. O USDA disse que o cozimento da carne em uma temperatura interna segura mata as bactérias e os vírus

A Colômbia restringiu a importação de carne bovina e produtos de carne bovina provenientes de estados dos EUA onde as vacas leiteiras testaram positivo para a gripe aviária a partir de 15 de abril, de acordo com o USDA.

Até o momento, não há casos conhecidos de gripe aviária em gado de corte.

O caso humano do surto atual ocorreu em um trabalhador rural do Texas que sofreu conjuntivite após exposição a vacas leiteiras.

Fonte: Dairy Herd Management, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

plugins premium WordPress