Consumo de carne bovina no Brasil cai ao menor nível em 18 anos, diz Itaú
31 de março de 2023
Balizador de preços do boi gordo GPB/DATAGRO – Boletim de 31-março-2023
3 de abril de 2023

Mastite em vacas de corte: o que você precisa saber

Embora a mastite, uma infecção do úbere, seja frequentemente considerada um problema da vaca leiteira e não da vaca de corte, a doença afeta muitos rebanhos de corte.

A maioria dos casos de mastite envolve apenas um quarto (um teto) do úbere da vaca e os outros três quartos permanecem normais. Mesmo que a maioria dos casos de mastite não resulte na perda completa da produção de leite, os bezerros de vacas afetadas têm peso de desmame mais leve do que se suas mães tivessem úbere normal.

Ocasionalmente, a mastite causa doença grave na vaca, mas na maioria das situações, a vaca não é muito afetada, exceto pela redução da produção de leite. A mastite pode ocorrer em qualquer estágio da lactação ou mesmo quando a vaca está seca, mas geralmente se torna um problema no início da lactação, logo após o parto.

A maioria dos casos de mastite é causada por microrganismos muito comuns no ambiente e na pele da vaca. Ocasionalmente, a mastite é causada por lesão no úbere. Vacas em lactação são de longe as mais comumente afetadas, mas novilhas podem ter úberes infectados.

Casos graves de mastite, quando o úbere fica avermelhado, inchado e quente ao toque e a vaca mostra sinais de doença, como falta de apetite e inatividade, resultará em perda de peso severa no bezerro e na vaca e, ocasionalmente, na morte seja da vaca ou do bezerro.

Frequentemente, um produtor de carne ou veterinário não notará uma vaca com mastite porque o gado de corte não é normalmente observado diariamente a uma curta distância e muitos casos não resultam em inchaço visível ou outros sinais de infecção do úbere. Em situações em que não são detectados casos de mastite, é provável que a vaca permaneça infectada durante toda a lactação e possivelmente pelo resto de sua vida.

Se for diagnosticada mastite, as vacas podem ser tratadas com formulações especiais de antibióticos que podem ser infundidos no próprio úbere até o final do teto. O veterinário também pode optar por tratar vacas com mastite com antibióticos injetados sob a pele do pescoço, que então viajam pela corrente sanguínea até o úbere.

Muitos casos de mastite respondem bem ao tratamento, mas alguns quartos nunca retornam à produção total de leite. Se uma vaca com mastite estiver gravemente doente, o veterinário pode recomendar uma terapia agressiva com ordenha frequente do quarto afetado, uso de antiinflamatórios e antibioticoterapia.

Como as vacas de corte não são manejadas com frequência, o momento mais comum para verificar se há mastite nas vacas é quando elas são reunidas para fins de vacinação, controle de moscas ou reprodução no início da lactação ou no final da lactação, quando as vacas são verificadas quanto ao estado de gestação e/ou os bezerros são desmamados. Alguns rebanhos verificam rotineiramente os úberes e tratam as vacas afetadas no momento do desmame dos bezerros.

Embora provavelmente não seja possível prevenir todos os casos de mastite, grandes populações de moscas, parto em confinamento e má conformação de tetas e úberes estão relacionados a situações em que várias vacas são afetadas no mesmo rebanho.

Vacas mais velhas, particularmente aquelas com úberes maiores e baixos e tetos grandes, são consideradas de maior risco para mastite. Portanto, a prevenção se concentra em parir as vacas em pastagens limpas e evitar o parto em ambientes úmidos ou lamacentos, descartar novilhas de substituição em potencial se suas mães tiverem úbere ou tetos ruins e controlar as moscas concentrando-se no saneamento e no uso adequado de inseticidas.

Fonte: Drovers, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Os comentários estão encerrados.

plugins premium WordPress