Domínio do risco
9 de junho de 2000
Mercado físico e o couro bovino
23 de junho de 2000

O que eu faço com as vacas vazias?

Ed Hoffmann Madureira

Freqüentemente os pecuaristas têm uma pergunta desconcertante sobre o que fazer com fêmeas vazias (aquelas que não ficaram prenhes). As alternativas são:

* sua manutenção, na esperança de que ela venha a ficar prenhe na próxima estação reprodutiva
* a venda da matriz e compra de uma outra para reposição
* a venda e sua substituição com uma fêmea selecionada
* a manutenção dessa fêmea e de sua substituta no rebanho

Quais são os ingredientes chaves para avaliar essa questão? Um das considerações primárias é custo. Qual o custo de preservar uma vaca razoavelmente bem mantida na fazenda? Em segundo lugar, qual o mercado atual para fêmeas descartadas por motivos reprodutivos? A terceira consideração é, no caso de descarte, qual a filosofia de reposição de novilhas ou o tamanho do rebanho?

Certamente, podem acontecer eventos, como uma seca prolongada, que tornam a decisão bastante simples, pois o tamanho de rebanho é uma função de quanto alimento e forragem existe.

No entanto, em alguns casos como, por exemplo um ano em que existe um número significativo de fêmeas vazias (20 a 30%), a decisão é mais complicada. A estratégia é de avaliar os animais caso a caso. Neste momento, idade do animal, condição corporal, e outros fatores relacionados ao potencial das vacas como fêmeas produtivas garantem uma avaliação para tomar a decisão de vender ou de manter a fêmea no rebanho.

Assumindo que o custo de levar a vaca vazia é menor que comprar ou criar uma de reposição, então a manutenção da vaca no rebanho pode ser a melhor decisão.

São sugeridos alguns passos sobre este assunto:

1. Avalie o potencial desta fêmea, quanto a:

* idade e condição corporal
* história da vida produtiva
* conformação corporal em relação ao rebanho
* potencial reprodutivo

2. Compute qual o custo esperado para manter essa vaca até o ano seguinte e o qual é o valor dela se vendida no mercado.

3. Qual seria o custo de uma novilha de reposição (criada na fazenda ou adquirida de terceiros).

Um exemplo de como isto poderia ser avaliado na base de um custo e de retorno é apresentado a seguir. Assumindo uma vaca com história de produção passada favorável, então o seguinte orçamento poderia ser preparado para avaliar a rentabilidade dela em ser mantida no rebanho:

Figura 1

Ao término do quarto ano (depois de um ano vazia) o criador terá recuperado o custo de manutenção da vaca vazia por um ano.. Se o preço do bezerro for de R$350,00, então ela recupera a perda em dois anos e meio. E assim, por diante.

A análise é muito sensível ao preço do produto que ela produz e o custo da manutenção. A análise não considera o efeito da inflação, isto é, não são descontados fluxos de renda futuros. Um método de payback simples é usado o qual não responde por valor do dinheiro no tempo.

Obs.: Adaptado de artigo escrito de Norman L. Dalsted por Josineudson Augusto C. da Silva

Os comentários estão encerrados.

plugins premium WordPress