IMEA: Participação de fêmeas no abate é inferior a 50% em Mato Grosso pela 1ª vez no ano
11 de julho de 2024
EUA: Mais jovens estão se dedicando ao campo, mas 58% dizem que não há um plano de transição em vigor
11 de julho de 2024

Preço do ‘boi China’ avança em São Paulo com demanda aquecida pela carne

As cotações do gado com especificações para a produção de carne que será exportada para o mercado chinês, conhecido como “boi China”, avançaram em São Paulo. A região é considerada uma das referências para este tipo de animal e a movimentação de preço reflete a demanda aquecida pelos embarques da proteína.

“As indústrias frigoríficas abriram as compras ofertando mais R$ 2 por arroba para o ‘boi China’, após nove dias úteis de estabilidade”, afirmou a Scot Consultoria em relatório nesta quarta-feira (10/7). Com o avanço, o animal passou a ser cotado a R$ 227 por arroba a prazo.

Em São Paulo, o preço bruto do boi gordo convencional está em R$ 220 por arroba a prazo, de acordo com a Scot, estável no comparativo diário.

No Estado de Mato Grosso do Sul, com a entressafra e a diminuição da disponibilidade de boiadas, as cotações subiram. Em Dourados (MS) e em Campo Grande (MS), o valor bruto do gado gordo aumentou R$ 3 por arroba, para R$ 220 por arroba a prazo.

A consultoria Agrifatto destacou em nota que o abate de fêmeas continua a ocorrer, mas agora em ritmo ligeiramente menor, o que contribui para sustentar os valores do boi.

“Pela primeira vez, desde dezembro de 2023, a participação de fêmeas sobre o total abatido ficou abaixo da linha dos 50% em Mato Grosso. Em junho, esse percentual foi de 49,71%. No total entre janeiro e junho foram abatidas 3,62 milhões de cabeças no estado, 25,88% acima do observado no mesmo período de 2023. As fêmeas totalizaram 1,92 milhões de cabeças, o que equivale a 52,99% de participação sobre o total acumulado”, exemplificou a Agrifatto.

No mercado da carne, o volume exportado na primeira semana de julho ficou em 54,2 mil toneladas. A média diária foi de 10,8 mil toneladas, avanço de 41,6% em relação à média diária de julho do ano passado, conforme dados do governo federal.

A cotação da proteína in natura exportada está em US$4,4 mil por tonelada, queda de 6,4% em variação anual. Apesar disso, o faturamento médio do período subiu 32,5%.

Fonte: Globo Rural.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

plugins premium WordPress