EUA vetam carne da EU
14 de março de 2001
Vetado produto industrializado da Europa
16 de março de 2001

Aftosa pode se alastrar por mais países

Abalada pelos casos de doença da vaca louca, a Europa assiste alarmada ao avanço da febre aftosa sobre os rebanhos e ao embargo generalizado das importações de carne da região por outros países. Ontem, a agência da ONU que trata de agricultura e alimentos, a FAO , emitiu uma nota dizendo que nenhum país pode se considerar livre do risco de ser atingido pela doença e recomendando medidas mais duras de controle. A Comissão Européia protestou contra o que chamou de “reação exagerada” de países que estão suspendendo as importações. É o que informa reportagem de Maria Luiza Abbott, publicada hoje no Valor Online.

A FAO reconheceu que houve progresso “substancial” nas últimas décadas em regiões do sul da América Latina, do Norte e América Central, além de países do Pacífico que poderiam se considerar livres da doença, como era o caso da Europa e Sul da África. Lembrou, porém, que “nenhum país pode se considerar livre do risco da doença, devido ao aumento do comércio internacional, do turismo e da movimentação de animais” e recomendou medidas adicionais.

Uma das prioridades para a FAO é que sejam mais rigorosos os controles sobre a importação de qualquer tipo de alimentos, inclusive “aqueles levados por viajantes e restos de aviões e navios”. Além disso, na lista da Organização, pede reforço geral de medidas de fiscalização, com campanhas de alerta para veterinários, empresas de transporte e setor agrícola; aumento do controle nas fronteiras, especialmente de caminhões e turistas voltando de regiões infectadas; preparação de planos de contingência, incluindo medidas para destruição de carcaças e para fornecimento de vacinas “.

A própria FAO também preparou panfletos para informar viajantes e companhias de transporte, em várias línguas. A nota alerta para o alto risco de que o vírus possa ser transmitido no processo de alimentação de porcos com restos de comida. “Suspeita-se que essa seja a origem provável da entrada do vírus na África do Sul e no Reino Unido”, diz.

Com a doença se alastrando, chega a quase 90 o número de países consumidores de carne do mundo que suspenderam as compras da Europa para tentar evitar o contágio. Seguindo o exemplo dos Estados Unidos, o Canadá anunciou ontem o embargo da importação de toda a carne da União Européia e pôs em quarentena tudo o que já foi importado desde 21 de fevereiro. Austrália e Nova Zelândia suspenderam as compras de animais vivos, carne e derivados de leite. O Japão, as importações da França que, na véspera, encontrara o primeiro caso da doença.

Outros países, incluindo Marrocos, Tunísia, Eslováquia e Hungria, suspenderam não apenas as importações de carne, leite e animais, como também as compras de outros produtos agrícolas, inclusive cereais. As medidas provocaram a reação da Comissão Européia, que considera exagerada a suspensão das compras da Europa. A Comissão diz que deveria ser dado tratamento diferenciado para os países que ainda estão livres da aftosa.

David Byrne, comissário da União Européia, indicou que o caso poderá ser levado para a organização Mundial da Saúde. A UE, por sua vez, suspendeu as compras de carne da Argentina. Dentro da própria UE, cada país está correndo para se proteger do outro, suspendendo as compras.

O ministro das Reservas Naturais da Irlanda, Hugh Byrne, atacou o governo britânicos pela maneira com que está lidando com a crise. Irritado, chamou o Reino Unido de ” o leproso da Europa ” , pois além da aftosa, a doença da vaca louca também se originou no país. No interior da França, qualquer um com sotaque inglês deixa de ser bem vindo. O governo britânico, porém, adotou medidas extremas para controlar a doença, incluindo a incineração de milhares de ovelhas grávidas. Mesmo assim, o número de casos cresce dia a dia e o governo está sendo pressionado a adiar as eleições gerais.

(Por Maria Luiza Abbott, para Valor Online, 15/03/01)

Os comentários estão encerrados.

plugins premium WordPress