Silagem de gramíneas tropicais. Gramínea Estrela Roxa (Cynodon nlemfuensis Vanderyst)
27 de outubro de 2000
“Aftosas saudações”: as lições da febre aftosa
10 de novembro de 2000

Aplicações clínicas da ultra-sonografia reprodutiva bovina

Francisco Barufi e Katia Mizuta

O uso da ultra-sonografia em reprodução de bovinos vem se popularizando nos últimos anos, tanto para fins científicos como no manejo rotineiro de algumas propriedades. Apresenta grande eficácia, uma vez que possibilita a visualização em tempo real das estruturas a serem analisadas. Além disso, é um método não invasivo, possibilita diagnósticos precoces, rápidos e com grande acurácia.

O elemento principal do aparelho de ultra-som é o transdutor, ou probe, que possui um arranjo de cristais que, quando eletricamente estimulados, produzem ondas sonoras de alta freqüência. Para aplicações na reprodução bovina um transdutor de arranjo linear é utilizado transretalmente, de modo a obter-se uma boa proximidade dos órgãos alvo, produzindo-se uma imagem focalizada de alta resolução. Um transdutor linear transmite ondas sonoras de altíssima freqüência (inaudíveis) ao longo de um eixo de três a quatro polegadas. A espessura das ondas ultra-sonoras é de aproximadamente um milímetro, fazendo com que qualquer imagem projetada no monitor seria comparável à observada na mesma estrutura em uma necropsia, em que se efetuassem cortes com uma faca, seja em seções transversais, longitudinais ou oblíquas.

As ondas sonoras transmitidas atravessam os tecidos corporais na direção determinada pelo ângulo do transdutor, até que alcance um tecido denso refletor. Parte do som é refletida e retorna aos cristais receptores, no próprio transdutor. A força das ondas que retornaram provoca compressão e expansão dos cristais que, por sua vez, produzem uma voltagem que é amplificada e convertida em imagens em tempo real em um monitor de alta resolução.

Os tecidos apresentam diferentes densidades que refletem o som em várias amplitudes (forças). Por exemplo, o eco produzido pelo líquido amniótico é fraco ou anecóico (preto no monitor), enquanto que o eco produzido pelos ossos fetais, um tecido denso, é forte ou altamente ecogênico (praticamente branco no monitor). O útero e os ovários apresentam diferentes densidades, refletindo o som em várias amplitudes. Estas densidades são fragmentadas em vários tons de cinza. Os aparelhos mais modernos produzem de 64 a 128 tons de cinza que resultam em uma imagem de alta resolução dos tecidos clinicamente importantes. A imagem é atualizada na taxa de 30 frames por segundo, originando uma imagem em tempo real, ou em movimento. Num sentido figurado, podemos considerar a ultra-sonografia como uma “radiografia em movimento”.

As principais utilizações do ultra-som no manejo reprodutivo são:

Sexagem fetal – nos casos de animais de alto padrão, principalmente quando se utiliza a transferência de embriões, pode ser de grande utilidade efetuar-se a sexagem precoce do feto. Por volta de 55 dias de gestação é possível efetuar-se a visualização dos tubérculos genitais masculino ou feminino, definindo-se o sexo do concepto. O tubérculo genital masculino é encontrado caudalmente ao umbigo, enquanto que o feminino se localiza abaixo da cauda. Essa estrutura é identificável por apresentar-se altamente brilhante e ecogênica. A detecção do tubérculo genital masculino é bem mais fácil. No caso de fetos fêmeas, quando não se observa o tubérculo masculino, deve-se localizar o feminino, sob a cauda, lembrando que o mesmo geralmente apresenta dois ou três lóbulos, enquanto que a cauda é uma estrutura monolobular.

Diagnóstico precoce de gestação – em propriedades em que se efetuam programas de sincronização do estro, é bastante interessante saber-se precocemente se a fêmea se encontra gestante, uma vez que em caso negativo a mesma pode ser re-sincronizada. Em vacas vazias, o lúmen uterino não contém estruturas anecóicas, exceto nos casos de úteros flácidos de vacas em condições patológicas, em que há conteúdo líquido no útero, como é o caso das endometrites. O diagnóstico pode ser efetuado com 27 dias após a inseminação, verificando-se conteúdo uterino, sendo que aos 30 dias pode-se observar o batimento cardíaco do feto.

Mortalidade embrionária precoce – por algum tempo após a ocorrência de morte embrionária, continuam-se observando características como balotamento e líquidos fetais no útero, de modo que não é possível efetuar-se um diagnóstico de imediato através da palpação retal. No caso da ultra-sonografia, verifica-se a ausência de batimentos cardíacos. Normalmente, este exame é realizado em conjunto com exames de sexagem fetal, ou ainda quando se efetua o diagnóstico de gestação através de ultra-sonografia ao invés da palpação retal.

Gestações múltiplas – quando se verifica prenhez gemelar de fetos de sexos opostos, pode-se optar pela interrupção da gestação (ocorrência de fêmeas freemartins).

Anormalidades ovarianas ou uterinas – pode-se diagnosticar cistos foliculares ou luteínicos com uma precisão bem maior do que a registrada pela palpação retal. Além disso, a presença de conteúdo no útero pode ser indicativa de endometrites, e seu diagnóstico pode possibilitar uma intervenção mais precoce, com a retomada mais rápida da atividade reprodutiva.

Manejo de doadoras e receptoras de embriões – a resposta superovulatória parece ser mais intensa quando há apenas folículos pequenos no ovário, e essa condição pode ser detectada pela ultra-sonografia. Além disso, pode-se verificar o número de folículos pré-ovulatórios no momento da inseminação e o número de corpos lúteos após a colheita dos embriões. No caso das receptoras, a ultra-sonografia possibilita uma melhor detecção do corpo lúteo no ovário, principalmente nos casos de corpos lúteos internos, mais difíceis de serem detectados por meio da palpação retal.

Implicações

A ultra-sonografia é uma ferramenta fundamental nas atuais pesquisas científicas que envolvem a fisiologia de desenvolvimento folicular e do ciclo estral de bovinos, tornando possível o acompanhamento em tempo real das alterações morfológicas do aparelho reprodutivo dos animais. As possibilidades de incremento da produtividade dentro de uma propriedade devem ser avaliadas, uma vez que a ultra-sonografia constitui-se de uma técnica de alto custo.

Extraído de STROUD (1994), Comp Cont Vet Educ, v. 16, p. 1085 – 97.

0 Comments

  1. Michel dos Santos Abrahão disse:

    Parabens Francisco e Katia
    é de suma importância que os produtores se conscientizem da utilidade e beneficios que a ultrassonografia trazem em uma propriedade

plugins premium WordPress