Mercado europeu poderá ser retomado
22 de maio de 2001
RS recebe primeiro lote de vacinas gratuitas
24 de maio de 2001

Argentina mantém programa de vacinação total do rebanho

Apesar da vacinação contra a febre aftosa na Argentina não estar num ritmo muito intenso, as autoridades do País acreditam estar cumprindo a meta, dentro do prazo previsto para a vacinação total. Até o momento, 40% do rebanho já foi vacinado. O diretor de Pecuária, Alfredo Montiel Barbará, reconheceu que em alguns locais o ritmo de vacinação poderia ser mais acelerado, mas informou que a prioridade está sendo dada aos locais onde apareceram focos da doença.

Atualmente, o norte da Argentina também recebe a vacinação, como prevenção, apesar dessa região não ter apresentado nenhum foco de aftosa. Segundo Barbará, a expectativa é que, até junho, cerca de 80 a 90% do rebanho esteja fora de risco de adquirir a doença. “As 350 mil doses da vacina que chegaram essa semana já foram repartidas e acreditamos que o ritmo de vacinação se manterá”, disse Barbará.

Barbará afirma que, considerando-se tudo o que aconteceu até agora, além do fato dessa medida ter se iniciado em 12 de abril, foram dados passos muito importantes no combate a aftosa. Segundo ele, praticamente todas as propriedades leiteiras já estão vacinadas, consideradas prioridade desde o princípio. Passarão a ter privilégios a partir de agora as propriedades que comercializam reprodutores. Paralelamente, segue a vacinação sistemática, sendo que há departamentos que já têm 70 a 80% do rebanho fora de perigo.

Questionado sobre os novos focos que apareceram recentemente, Barbará disse que as informações referem-se aos focos oficiais, dizendo que há departamentos como Gualeguay e Gualeguaychú, que estão em situação mais complicada, enquanto que no norte do país, em rebanhos dedicados à cria, não há problemas, exceto por um foco que apareceu em La Paz. “De qualquer forma, em todos esses locais está sendo feita a vacinação preventiva”, afirma.

Com relação à barreira, Barbará disse que ela foi solicitada quando não havia nenhum foco na Argentina, e o rebanho não estava sendo vacinado. “Entretanto, assim que as barreiras foram instaladas, apareceram os focos, de forma que é necessário analisar se tem sentido mantê-las nesse contexto. Porém, a idéia atual é terminar de vacinar todo o gado, e depois ver o que será feito com as barreiras”, informou.

fonte: E-campo, adaptado por Equipe BeefPoint

Os comentários estão encerrados.

plugins premium WordPress