Cresce mercado de produtos naturais nos EUA
18 de junho de 2001
RS registra novo foco de aftosa
20 de junho de 2001

‘Boi verde’ eleva qualidade da pecuária acreana

Especialistas afirmam que a bovinocultura no Acre tem potencial para adquirir qualidade e aumentar sua fama de “oferecer uma das melhores carnes do País”, como afirma o presidente da Federação da Agricultura do Estado do Acre (Faea), Assuero Veronez. Hoje, a pecuária é a atividade econômica que mais gera recursos no Estado, respondendo por 60% da arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), o equivalente a R$ 150 milhões por ano.

O pecuarista acreano tem se esforçado para produzir um produto interessado em outros mercados. “O consumidor europeu prefere carne com o ‘marmoreio’ (distribuição homogênea de gordura pela carne) e, hoje, temos a obrigação de olharmos para todos os mercados”, explica Veronez. O Acre exporta 70% da sua produção de carne para outros estados brasileiros. Vinte e cinco por cento vão para a cidade de Manaus.

Para Veronez, o cruzamento entre as raças de origem indiana (zebu) e européia (bostaurus) gerou um gado com a rusticidade necessária ao clima da região, com precocidade para o abate. A elevada qualidade do gado acreano é atribuída à técnica de criação do “boi verde”. O animal só come alimento natural, o capim. Em 40% das pastagens há o “consórcio” com leguminosas, fornecedoras da adubação orgânica.

De acordo com Judison Valentin, especialista na área de forragicultura, as leguminosas estão sendo usadas para remediar a morte de algumas pastagens do Acre. Resultados preliminares de um estudo da Embrapa indicam que há mau uso no manejo das pastagens e um elevado índice de pisoteamento (muitos animais em uma área por um longo período de tempo). O resultado final da pesquisa será divulgado no final deste ano.

fonte: Gazeta Mercantil (por Itaan Dias), adaptado por Equipe BeefPoint

Os comentários estão encerrados.

plugins premium WordPress