Produtores preocupados com a qualidade da carne
11 de abril de 2001
Plano emergencial de vacinação deve ficar pronto ainda esta semana
16 de abril de 2001

Brasil pede antecipação da imunização no país vizinho

O Ministério da Agricultura solicitou ao governo argentino que seja antecipado o cronograma de vacinação em toda a região da Mesopotâmia, que inclui Entre Ríos, a partir dos focos anunciados ontem.

O presidente do Serviço Nacional de Sanidade e Qualidade Agroalimentar da Argentina (Senasa), Bernardo Cané, garantiu que enviará ao Ministério a data do início da vacinação nessa área, e assegurou o sacrifício dos animais, caso sejam comprovados os focos.

Cané conversou por 30 minutos com o secretário de Defesa Agropecuária do ministério, Luiz Carlos de Oliveira, e informou que tomou as providências comuns em casos de emergência sanitária, como o isolamento das propriedades.

Hoje, a Argentina conta com um estoque de 23 milhões de vacinas. A meta é vacinar 50 milhões de cabeças, sendo que a região central já passa pelo processo. No Brasil, Oliveira afirma que há estoque suficiente da vacina, se fosse o caso de utilizar. No entanto, ainda é aguardado um estudo sobre o comportamento do vírus na Argentina, para saber se a vacina brasileira seria totalmente eficiente nesse caso.

Oliveira não revê a posição do governo quanto à vacinação no Circuito Pecuário Sul (Rio Grande do Sul e Santa Catarina). Lembrou que o foco de Artigas, no Uruguai, estava bem mais próximo do Estado, e a ação de vigilância foi suficiente.

Oliveira informou que o Ministério instalará uma auditoria nos serviços sanitários de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná, a partir de 16 de abril. Haverá visitas a sedes de delegacias, escritórios, e trabalho a campo, para harmonizar os procedimentos da defesa. Em seguida, será convocada reunião técnica entre os três Estados para os dias 7 e 8 de maio. Nos dias 9 e 10 de maio, representantes de todo o Circuito Sul têm outro encontro.

O secretário garante, porém, que nenhum país adotou a vacinação sem que houvesse atividade viral ou foco de aftosa. Portanto, a volta da vacina traria a falta de credibilidade internacional. Por enquanto, Oliveira mantém os planos do governo de encaminhar à Organização Internacional de Epizootias (OIE) o pedido de zona livre sem vacinação em outubro.

De acordo com as regras da OIE, o Brasil tem o prazo de 12 meses para a requisição depois do último animal abatido em Jóia. Oliveira avisa que se a Justiça permitisse a volta da vacinação no Rio Grande do Sul seria o fim do circuito.

(Por Carolina Bahia, para Zero Hora/RS, 12/04/01)

Os comentários estão encerrados.

plugins premium WordPress