Cientista aconselha governo britânico a vacinar parte do rebanho contra a aftosa
17 de abril de 2001
Antílope pode ter transmitido vírus da vaca louca ao rebanho do Reino Unido
19 de abril de 2001

Governador do RS pede interferência de FHC no caso da febre aftosa

O governador Olívio Dutra enviou ontem uma correspondência ao presidente Fernando Henrique Cardoso, solicitando que a Presidência da República peça ao governo argentino informações oficiais urgentes sobre os tipos de vírus da febre aftosa que estão afetando o rebanho naquele país. O governador também reafirmou a necessidade da presença de representantes brasileiros nas reuniões da Organização Internacional de Epizootias (OIE), que terminam na sexta-feira, em Paris, para informar sobre o encerramento do caso Jóia e solicitar que o Estado volte a ser considerado livre de aftosa com vacinação.

O Governo do Estado quer ainda que o Ministério da Agricultura defenda junto à OIE a realização de estudos visando a modificação do Código Zoossanitário para que a organização passe a aceitar a vacinação preventiva.

Segundo o secretário da Agricultura, José Hermeto Hoffmann, a carta deve servir como instrumento para sensibilizar o ministro da Agricultura, Pratini de Moraes, para que ele receba o Governo do Estado e demais entidades que apóiam a vacinação preventiva. Ele comentou que a expectativa de todo o setor de carnes gaúcho era que o secretário de Defesa Agropecuária, Luiz Carlos Oliveira, estivesse presente à reunião da OIE.

`Ele diz que não pode participar porque a reunião trata só de assuntos da União Européia, mas o Ministério tinha que ao menos pleitear que o assunto fosse incluído na pauta`, argumenta Hoffmann. Ele afirmou que o Rio Grande do Sul tem condições de voltar a vacinar sem que aconteça um isolamento econômico. `O Parlamento Europeu aconselhou na semana passada a vacinação em áreas-tampão próximas às zonas infectadas, como é o caso do Rio Grande do Sul`. Para ele, desta forma o Estado não perderia a condição de livre de aftosa. `O que não pode acontecer é esperar um novo foco para voltar a vacinar`.

Luiz Carlos Oliveira disse que se houver um novo foco de aftosa se retomará o rifle sanitário, para que o Estado possa continuar pleiteando a condição de livre de aftosa sem vacinação. E que para que o Circuito Pecuário Sul volte a vacinar não basta que Santa Catarina concorde com a decisão, mas que todos os outros estados a aceitem.

Hoffmann alega que no momento não é apenas a sanidade dos rebanhos do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, que suspenderam a vacinação há cerca de um ano, que está ameaçada pela proximidade do vírus, mas de todos os demais Estados, porque não se sabe se a vacina produzida no Brasil garante imunidade ao vírus existente na Argentina.

A Secretaria da Agricultura recebeu ontem a informação da existência de um novo foco da doença na Argentina, na província de Santiago del Estero. O foco está localizado na localidade de El Bobadal, a 240 quilômetros de distância da capital da província, de acordo com informações divulgadas pelo jornal El Diario.

fonte: Gazeta Mercantil, adaptado por Equipe BeefPoint

Os comentários estão encerrados.

plugins premium WordPress