Embrapa usa internet para pesquisar consumo de carne
22 de janeiro de 2001
Proposta do USDA beneficia produtores de carne dos EUA
24 de janeiro de 2001

Governo abaterá mais 75 ovinos no Paraná

Segundo reportagem de Mirian Karam e Sérgio Bueno, publicada hoje no Valor Online, o Ministério da Agricultura e a Secretaria da Agricultura do Paraná decidiram sacrificar mais 75 ovelhas no Estado, por pertencerem ao mesmo grupo de animais que apresentaram a doença paraplexia enzoótica (“scrapie”). Os animais pertencem ao mesmo lote das 290 ovelhas sacrificadas na semana passada em Candói. O rebanho pertence ao deputado federal Gustavo Fruet, e está no município de Agudos do Sul, Região Metropolitana de Curitiba.

De acordo com a Secretaria da Agricultura do Paraná, o trabalho de rastreamento dos animais deve terminar só em fevereiro.

Ontem, o secretário em exercício, Luís Carlos Hatschbach, decidiu não participar da reunião convocada pelo Rio Grande do Sul para discutir a situação da doença. Segundo o secretário, “a situação está sob controle” e todas as “medidas necessárias foram tomadas”.

Hatschbach também criticou a postura gaúcha de impedir a entrada, naquele Estado, de ovinos do Paraná. “Trata-se de uma decisão meramente comercial, sem qualquer respaldo técnico”, disse.

Os governos sul-matogrossente e gaúcho, porém, querem mais explicações. Na reunião realizada em Porto Alegre, o chefe do serviço de defesa agropecuária da Secretaria da Agricultura do MS, Loacir da Silva disse que seu Estado pode seguir o caminho do Rio Grande do Sul e barrar o ingresso, em seu território, de ovinos e caprinos procedentes do Paraná. A medida será adotada se o governo paranaense e o Ministério da Agricultura não aceitarem uma reunião entre os três Estados mais Santa Catarina, ainda esta semana, ameaçou ao dar entrevista junto com o secretário José Hermeto Hoffmann, do RS.

O Mato Grosso do Sul tem um rebanho em formação de 200 mil cabeças de ovinos e caprinos e adquire matrizes na região Sul, a maior parte no Paraná.

Silva e Hoffmann ficaram frustrados com a ausência de representantes do Paraná, de Santa Catarina e do Ministério da Agricultura, que foram convidados para discutir uma estratégia comum contra o “scrapie”. O delegado do ministério no Rio Grande do Sul, Odalniro Paz Dutra, disse que a iniciativa poderia gerar “decisões conflitantes”, pois uma questão que envolve mais de um Estado deve ser tratada pelo governo federal.

Por Mirian Karam e Sérgio Bueno, para Valor Online, 23/01/01

Os comentários estão encerrados.

plugins premium WordPress