Frigoríficos gaúchos passam por inspeção chilena
26 de abril de 2001
Ministério decide nesta semana sobre volta da vacinação
30 de abril de 2001

Governo do RS e Ministério da Agricultura mantêm desentendimento

O governo do Rio Grande do Sul e o Ministério da Agricultura continuam em caminhos opostos quando à vigilância sanitária dos rebanhos contra a aftosa. Ontem, o governador Olívio Dutra encaminhou um pedido de audiência ao presidente Fernando Henrique Cardoso para falar sobre os riscos da doença no Estado, principalmente agora, com a confirmação dos focos no Uruguai. Já o Ministério da Agricultura anunciou que, na semana que vem, divulgará um relatório sobre o desmonte do sistema de vigilância sanitária no Rio Grande do Sul.

Após o encontro realizado na última quarta com um representante da Organização Internacional de Epizootias (OIE) para as Américas, o secretário da Agricultura, José Hermeto Hoffmann disse ter sido informado de que é possível concretizar as duas condições necessárias para que o Estado volte a vacinar: manter o status de livre de aftosa com vacinação e dar por encerrado o episódio de Jóia conservando as mesmas condições dos demais Estados, sem nenhum isolamento.

Ontem, 11 barreiras fixas e quatro volantes começaram a funcionar no controle da fronteira com o Uruguai. Foram enviados mais 13 veterinários e 86 auxiliares para reforçar as equipes. Hoje, terá início o controle na fronteira entre Santana do Livramento e a cidade uruguaia de Rivera. Serão montadas três barreiras nas principais vias de acesso entre o Uruguai e o interior de Livramento. Os bloqueios impedirão a entrada de animais e produtos derivados provenientes do Uruguai. Os veículos que utilizam os acessos pelo interior são desinfectados.

Durante uma reunião de secretários da Agricultura, realizada na última quarta, o secretário de Defesa Agropecuária, Luiz Carlos de Oliveira, voltou a sustentar que a forte atuação da vigilância é o que garante o controle da atual condição sanitária do Circuito Pecuário Sul (Santa Catarina e Rio Grande do Sul) e não a vacinação.

Para o Ministério da Agricultura, a volta da vacinação só será justificada se for detectada a existência do vírus no rebanho. No próximo dia 2 de maio, em São Paulo, ministros da Agricultura do Mercado Comum do Sul (Mercosul) participarão de um encontro para discutir medidas adicionais de defesa sanitária.

fonte: Zero Hora/RS (por Lúcia Ritzel e Carolina Bahia), adaptado por Equipe BeefPoint

Os comentários estão encerrados.

plugins premium WordPress