Bem-estar animal: 6 empresas brasileiras estão no ranking global 2024
24 de maio de 2024
Sistema CNA/Senar promove ação para reconstruir o agro no Rio Grande do Sul
24 de maio de 2024

Minerva recorrerá ao governo do Uruguai para tentar destravar acordo com a Marfrig

Foto: Divulgação Minerva

Os advogados da Minerva estão preparando um recurso para apresentar às autoridades do Uruguai e, com isso, tentar reverter a negativa que o órgão concorrencial uruguaio deu à compra que a empresa fez de três unidades de abate da Marfrig no país. Após a entrega da documentação, que ocorrerá até o dia 31/5, o recurso também passará pelo escrutínio do governo local.

“O recurso vai para o Coprodec [Comisión de Promoción Y Defensa de la Competencia] e para o Ministério da Economia” do Uruguai, disse à reportagem uma fonte próxima às negociações.

Até o momento, a Minerva não definiu se mudará a solicitação inicial para a compra dos ativos da Marfrig, localizados em Colônia, Salto e San José, e quais seriam as eventuais alterações no pedido. “A princípio, a Minerva está empenhada em entender os motivos que levaram à decisão da Coprodec”, acrescentou o interlocutor.

Fontes ouvidas pela reportagem também consideram a hipótese de a autoridade concorrencial colocar alguma exigência para que a transação seja aprovada. As empresas seguem na expectativa de que o Uruguai autorize a conclusão do negócio entre elas.

No acordo, anunciado em agosto de 2023, a Marfrig acertou a venda, por R$ 7,5 bilhões, de 16 de suas plantas na América do Sul para a Minerva, que já pagou R$ 1,5 bilhão pelos ativos. As três unidades que ficam no Uruguai são avaliadas em R$ 675 milhões.

Ações

Na quinta-feira (23/5), as ações das duas empresas na B3 recuperam parte do valor que perderam na véspera, quando os papéis despencaram, em reação aos desdobramentos no Uruguai. Os papéis da Minerva subiram 1,1%, e as ações Marfrig avançaram 1,37%. Ainda que o veto uruguaio não tenha sido uma surpresa para o mercado, a repercussão da medida entre os investidores foi negativa.

A venda das plantas no Uruguai não altera as análises que estão em curso nos órgãos responsáveis dos demais países envolvidos — Brasil, Argentina e Chile. No Brasil, a negociação de 11 plantas segue em avaliação. No mês passado, a Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) disse que a operação é “complexa”, o que estende os prazos de análise no órgão e pode fazer com que o resultado saia apenas no fim do ano.

Fonte: Globo Rural.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

plugins premium WordPress