Gestão da qualidade
11 de maio de 2001
Criadores argentinos questionam restrições do Senasa
15 de maio de 2001

Produtores e indústrias decidem abater animais infectados

Os setores industrial e de produção de carne do Rio Grande do Sul decidiram sacrificar com injeção letal os animais infectados com o vírus da aftosa nas fazendas São Pedro, em Santana do Livramento, e Combate, em Alegrete. O governo estadual, contrário ao sacrifício, participa apenas como observador; não será o executor e também não se compromete a indenizar os animais. “Somos contrários a qualquer matança de animais no Rio Grande do Sul”, reafirmou o secretário da Agricultura, José Hermeto Hoffmann. “Fechamos o acordo apenas para atender à condição do Ministério para liberar o comércio da carne gaúcha no resto do país”, salientou.

O Ministério da Agricultura, por sua vez, gostou da notícia. O diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa), Rui Vargas, explica que a decisão facilita a criação de corredores de escoamento de produtos de origem animal do Rio Grande do Sul, que passam por Santa Catarina para chegar aos outros estados.

Os recursos para a indenização dos proprietário virão do Fefa, um fundo privado administrado pela Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul e pelo Sindicato da Indústria da Carne (Sicadergs). O presidente da Farsul, Carlos Sperotto, disse que os abates prosseguirão, se for necessário, mas que as indenizações serão feitas até o esgotamento da verba do Fefa.

Em Santa Catarina, produtores, técnicos, representantes de agroindústrias e entidades do setor se reúnem hoje com o Secretário de Agricultura, Odacir Zonta, para avaliar a atual situação do controle da febre aftosa no Estado. O diretor de Defesa Sanitária Animal de Santa Catarina, Adelino Renúncio, explica que o extermínio dos animais é importante para o Estado. “Se eles fizerem o abate e a vacinação perifocal, o risco da doença chegar em Santa Catarina vai diminuir bastante”, diz. O governo teme pelo contrabando de animais, que entram no Estado para abate clandestino.

fonte: Diário Catarinense (por Viviane Araújo) e Gazeta Mercantil (por Denis Cardoso, Ayr Aliski e Luiz Guimarães, adaptado por Equipe BeefPoint

Os comentários estão encerrados.

plugins premium WordPress