Reforma tributária: ruralistas querem desoneração para proteínas animais
3 de julho de 2024
O que faz a carne bovina do Brasil ser apreciada? Um teste às cegas revelou
3 de julho de 2024

Quais são as carnes mais consumidas no Brasil? Veja lista

O governo federal discute a inclusão das carnes entre os itens de cesta básica que serão desonerados na reforma tributária. Nesta terça-feira (2/7), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu que a “carne chique pode pagar um impostozinho”, enquanto “a carne que o povo consome” não precisa ter imposto.

Mas, afinal, quais são as carnes mais consumidas no Brasil?

Mais da metade da população do país faz parte das classes D e E, com salários que não superam R$ 3,5 mil. São a essas categorias que Lula se refere quando cita o povo brasileiro. E por ter menor poder de compra, as proteínas mais buscadas por essa parcela da população são, em sua maioria, o frango e os cortes dianteiros da carne bovina.

O frango é a carne mais consumida no Brasil, com consumo per capita estimado em 46 quilos por ano, de acordo com o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA, na sigla em inglês).

Já o consumo de carne bovina está em torno de 35 quilos per capita, e o da proteína suína em 21 quilos per capita, segundo análise da Scot Consultoria.

No caso do boi, a diretora da consultoria Agrifatto, Lygia Pimentel, explica que, basicamente, tudo é aproveitado do animal e a demanda pela carcaça inteira se equilibra de acordo com os preços.

“A carcaça bovina é composta por um volume maior de ‘carne de segunda’, então o maior volume consumido pelos brasileiros é, naturalmente a carne de segunda linha (ou de dianteiro + ponta de agulha), que são mais baratos que os cortes nobres do traseiro”, acrescentou.

Veja alguns exemplos de cortes bovinos:

  • Dianteiros: acém, paleta, músculo dianteiro, costela
  • Intermediários: coxão duro, patinho, lagarto
  • Traseiros: contra filé, filé mignon, alcatra completa, coxão mole e fralda do traseiro

O diretor da Scot, Alcides Torres, ressaltou que conforme vai passando o período de recebimento de salários no mês, aumenta o consumo de cortes bovinos dianteiros.

Na carne de frango, apesar de ser a proteína considerada mais barata e altamente demandada pela população, também há distinção entre os cortes, onde a asa é mais procurada pela população de menor poder aquisitivo e o peito é considerado mais nobre.

“A dinâmica é a mesma: filé mignon suíno [nobre] contra costelinha [acessível], por exemplo”, cita Lygia sobre cortes de carne suína mais consumidos pela população, a depender da renda.

Preços

É notável a diferença de preços entre as carnes procuradas pelos brasileiros e isso ajuda a orientar a demanda, de acordo com a classe social.

Na última semana, o frango resfriado custava em média R$ 6,10 por quilo no atacado de São Paulo, conforme dados da Scot Consultoria. A carcaça suína comercializada no atacado estava em R$ 10,60 por quilo.

No segmento de carne bovina, uma das mais baratas era o corte dianteiro acém, no valor de R$ 18,94 no atacado de São Paulo. Em contrapartida, a picanha A e o filé mignon sem cordão superavam R$ 50 por quilo.

“A carne bovina está menos competitiva em relação às carnes de frango e suína, dado o aumento dos preços das carcaças de boi castrado e novilha, em contraste com a queda nos preços do frango e da carne suína”, informou a Scot em relatório.

Taxação

O presidente Lula defendeu que haja uma separação entre os cortes incluídos na desoneração da cesta básica. Pela proposta oficial do próprio governo, as proteínas animais estariam na chamada cesta básica estendida, com alíquota de 40% da padrão.

“Sou favorável [à inclusão da carne na cesta básica na reforma tributária]. Tem vários tipos de carne. A carne chique pode pagar um impostozinho. O frango, o músculo, o acém, o colchão mole, tudo isso pode ser evitado [de pagar tributo]. Eu acho que a gente precisa colocar a carne na cesta básica, sim, sem pagar imposto”, disse em entrevista à rádio Sociedade, de Salvador (BA).

Na avaliação da diretora da Agrifatto, taxar os cortes mais nobres (ou caros) vai distanciar ainda mais a população média desse produto. “Eu diria que essa pode ser considerada uma forma de reforçar a desigualdade. Quem tem dinheiro não vai ficar limitado”, afirmou.

Ela acredita que a cobrança de qualquer imposto encarece o produto e certamente levará o consumidor a deslocar a demanda para carnes que sejam mais baratas, como dos cortes bovinos para o frango e suínos, “elitizando o consumo das carnes chiques”.

O deputado federal Pedro Lupion (PP-PR), presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), disse nesta terça-feira que a bancada ruralista segue defendendo a inclusão das proteínas animais entre os itens da cesta básica desonerada. Segundo ele, já há concordância do grupo de trabalho da Câmara Federal sobre o tema.

Fonte: Globo Rural.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

plugins premium WordPress