Agricultura no Limiar do Milênio
11 de agosto de 2000
Conseguiremos vencer a aftosa?
25 de agosto de 2000

O que se espera do confinamento em 2000

Como sempre ocorre, os números sobre a quantidade de animais confinados são controversos e imprecisos.

No entanto, tomando como base o pico de preços, de certa maneira inesperado no ano passado, é de se esperar que o produtor esteja tentando confinar maior número de animais este ano, desde que tenha condições para tal.

Um indício do aumento da intenção de confinar foi a lotação dos confinamentos por aluguel no final de maio e início de junho.

Porém, o aumento do número de bois confinados este ano não pode ser tomado por base apenas pelos confinamentos de aluguel, um mercado restrito ainda a poucas regiões.

Não se planeja um confinamento de um ano para o outro, sem prévio investimento em produção de forragens, instalações e animais.

Dieta do confinamento

No ano passado, devido ao aumento dos custos dos concentrados em época não comum, o confinador amargou um aumento de 16% no custo da dieta ao longo do confinamento.

Este ano, muitos planejaram fechar as compras de todos os ingredientes da dieta no início do confinamento do primeiro lote.

Porém, a dificuldade em se obter concentrados tem sido a marca registrada neste ano.

A indústria da laranja começou a safra tardiamente, atrasando a colocação da polpa cítrica no mercado. Outros alimentos concentrados sofreram elevações de preços proibitivas, comprometendo os resultados financeiros este ano, como milho, farelo de soja e mesmo os farelos de algodão, apesar de acabarem compondo parte das dietas.

Em boa parte, os confinamentos deste ano basearam-se no farelo proteinoso de milho (refinazil ou promil), polpa cítrica peletizada e caroço de algodão, cujos preços tornaram-nos mais atraentes.

Evidentemente entram ainda a uréia, sulfato de amônio, aditivos e suplemento mineral.

Estimativas de custos

Como é de conhecimento de grande parte dos pecuaristas, o confinamento é uma técnica eficientemente empregada para terminação de boiadas.

O produtor confina seus animais, buscando fechá-lo o mais pesado possível, acima dos 400 kg. A técnica permite pequena lucratividade nas arrobas engordadas no confinamento, pois quanto mais pesado o animal, maior a demanda energética para ganho de peso. No entanto, o produtor ganha nas arrobas já obtidas, carregadas a um custo baixo.

O confinamento permite também aliviar as pastagens com a retirada dos animais para os currais.

Nas tabelas de 1 a 4, seguem os custos de alimentação com dietas a base de silagens de capim, milho, sorgo e cana de açúcar picada.

Nas simulações estão sendo considerados a atividade do confinador que compra o boi magro (340 kg) e o engorda até aproximadamente 480 kg.

Tabela 1
Tabela 2
Tabela 3
Tabela 4

Confinamentos cujos períodos para terminação se alongam para 100 a 150 dias permitem neste ano lucratividade na dieta da arroba engordada. Veja, na tabela 5, os custos totais do confinamento em 2000. Considerou-se o custo da alimentação por arroba engordada e a média entre as dietas envolvendo as quatro fontes volumosas.

Tabela 5

Com relação à alimentação, o aumento dos preços dos concentrados ao longo dos meses, notadamente em maio e junho, devem causar um aumento de 2,2% no custo da dieta do confinamento por arroba engordada.

De acordo com os custos acima, o pecuarista teria, a preços atuais, uma lucratividade de 6,4% a 8% para vendas a vista e a prazo, respectivamente.

O que esperar para os próximos meses?

Expectativa de preços

Apesar da impossibilidade de se prever com pequena margem de erro os preços da arroba para os próximos meses, pode-se apostar com base nos anos anteriores e nas apostas futuras na BM&F.

Nos últimos 30 anos, os preços médios da arroba do boi gordo foram 12,3% superiores no segundo semestre em relação ao primeiro semestre.

Porém, nos últimos anos a diferença de preços de entressafra e safra tem-se reduzido. Quando a analise cobre dez anos atrás, essa diferença de preços cai para 5,86% e nos últimos cinco anos, a média de preços no segundo semestre é 4,10% superior à média do primeiro semestre. Em 1999, no entanto, essa diferença foi de 11,5%, considerando valores deflacionados.

Com relação às apostas futuras na BM&F, a média total dos valores para a arroba bovina até o final do ano estão apresentadas na tabela 6.

Tabela 6

A medida que o tempo avança, os valores das apostas no mercado futuro vão se aproximando da realidade do mercado físico do mês e não o vice versa, como se pensa.

No mês de julho próximo passado, o preço médio da arroba do boi gordo a prazo foi de R$40,81. Desde outubro de 99 até junho de 2000, a média das apostas futuras para o valor da arroba a prazo em julho foi de R$40,76, portanto valores bem próximos ao observado no mercado físico.

Porém, apesar da proximidade, ao longo de todo este tempo, os valores médios mensais das apostas futuras variaram de R$39,21 até R$42,76, sendo este último o valor médio de apostas futuras na BM&F observada durante o mês de junho de 2000. Isso mostra que a proximidade do valor está mais relacionado a uma coincidência do que um acerto nas previsões dos operadores na bolsa.

As oscilações relacionam-se com o mercado físico do boi e todas suas interações, mercado futuro de dólar e de taxas de inflação.

Passado e futuro

Para se ter um rumo, o valor médio da arroba bovina no primeiro semestre de 2000 foi de R$40,05 (deflacionado pelo IGP-DI).

Caso o preço da arroba na entressafra varie de acordo com a média dos últimos cinco e dez anos os preços médios no segundo semestre deverão ser de R$ 41,69 e R$42,39, respectivamente, com média mensal no mês de pico de R$46,69 a R$47,34, portanto, valores próximos aos das projeções baseadas nas apostas na BM&F para a @ em R$ a prazo.

Considerações finais

Considerando agosto e julho, os preços médios do segundo semestre já somam 3,02% acima do valor do primeiro semestre.

Se o comportamento de preços repetir o ano passado, o valor médio da arroba de julho a dezembro atingirá R$44,60 a prazo, com pico de R$49,40/@, preço elevado para a situação dos frigoríficos e do mercado de carne atual.

A quanto a arroba vai chegar depende naturalmente de vários fatores contra e pró o “estouro” de preços da arroba do boi gordo.

– Contra: Os frigoríficos vem trabalhando com margens muito apertadas e na maioria das vezes no prejuízo nos últimos meses. Certamente a pressão para segurar escaladas de preços será muito marcante; Grande parte dos produtores, animados com a alta do ano passado, estão segurando para vender em outubro, seja em confinamentos ou em semi confinamentos.
– Prós: A realidade das pastagens brasileiras e a dificuldade de se planejar um confinamento em poucos meses, dada as condições da pecuária no país, praticamente desmistificam a crença de que o pecuarista estaria retendo boi gordo. Na verdade estaria faltando animais.

Como é cada vez mais evidente a escassez de boi pronto no mercado, a variação de preços fica na dependência do consumidor final e da rede varejista.

Cabe a pergunta: – O consumidor absorverá os aumentos esperados pelos pecuaristas? Só o tempo dirá.

De qualquer maneira que se analise a situação porém, o cenário é favorável ao confinador. Seria preciso haver uma reviravolta artificial no mercado para alterar a tendência de bons resultados no confinamento de 2000.

Maurício

Os comentários estão encerrados.

plugins premium WordPress